Aquecimento global ameaça trem que chega ao Tibete

O aumento da temperatura no Tibete superou a média mundial, que é de 0,2 grau centígrado por década

EFE,

06 de maio de 2009 | 19h17

O aquecimento global do planeta ameaça a estabilidade da linha de trem que liga a região autônoma do Tibete à província ocidental de Qinghai, informou a imprensa chinesa.

 

Segundo os especialistas, a linha ferroviária, na qual o governo chinês investiu mais de US$ 143 milhões poderia estar em risco em questão de quatro décadas.

 

Esta linha é alvo de críticas dos grupos ambientalistas, que temem que a região tibetana seja ainda mais afetada, em seu já frágil equilíbrio ambiental, pela chegada em massa de viajantes.

 

"No Tibete, a temperatura subiu 0,32 grau centígrado por década desde 1961", explicou Zheng Guoguang, chefe da Administração de Meteorologia chinesa.

 

O especialista assegurou que "esta alta é muito maior que a média da temperatura nacional, que sobe entre 0,05 e 0,08 grau centígrado a cada 10 anos".

 

Além disso, o aumento da temperatura no Tibete superou a média mundial, que é de 0,2 grau centígrado por década.

 

O planalto tibetano, com uma altitude que beira os 4.000 metros, é uma "lupa" do aquecimento global, assegurou Zheng.

 

A China prometeu investir US$ 2,190 bilhões nas próximas duas décadas para proteger o meio ambiente na região autônoma.

Tudo o que sabemos sobre:
tibetechinaefeito estufa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.