Argentina cria vaca transgênica que produz hormônio no leite

Alteração genética permite que os animais produzam cerca de 20% a mais, e a menor custo

Efe

05 de novembro de 2008 | 18h49

O laboratório argentino Biosidus criou a primeira geração mundial de vacas transgênicas que dão leite com o hormônio de crescimento bovino, o que permite que produzam cerca de 20% a mais, e a menor custo.  A geração de vacas Porteña promete revolucionar tanto o setor de produção de leite como de carne de vaca, disse nesta quarta-feira, 5, Marcelo Criscuolo, ao explicar esse desenvolvimento biotecnológico.  Criscuolo, diretor da Biosidus, afirmou que poderá reduzir substancialmente o preço do hormônio de crescimento bovino, que atualmente é produzido somente por meio de síntese química.  As vacas têm uma modificação em um gene para que produzam o hormônio de crescimento bovino em suas glândulas mamárias "onde normalmente não é produzido", disse o cientista à rádio continental de Buenos Aires.  "Já induzimos a lactação e comprovamos que o hormônio está no leite", disse Criscuolo ao indicar que a empresa se dedica agora a reunir as vacas transgênicas para entrar "na etapa final de produção."  Biosidus levou dez anos para desenvolver a chamada vaca leiteira "farmacêutica" e, desde 2002, quando criou Pampa, a primeira vaca clonada da América Latina, produz leite com hormônio de crescimento humano ou com insulina.

Tudo o que sabemos sobre:
ciência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.