Argentinos organizam campanha de negação do catolicismo

Sob o lema 'não em meu nome', ONGs estão impulsionando iniciativas de ateísmo e de afastamento da Igreja

Efe,

02 de março de 2009 | 15h03

As iniciativas europeias para impulsionar o ateísmo e o afastamento da Igreja Católica chegaram à Argentina, onde membros de mais de 21 ONGs começaram nesta segunda-feira, 2, uma campanha para promover a renúncia ao catolicismo sob o lema "Não em meu nome".  Os promotores da campanha, conhecida como "afastamento coletivo", pertencem a cerca de 25 organizações civis de todo o país dos mais diferentes setores, desde grupos de mulheres a favor da descriminalização do aborto até coletivos homossexuais, passando pela Associação de Ateus da Argentina, ArgAtea. Andrés Miñones, membro da ArgAtea, que promove a implantação dos valores laicos e é a única de seu tipo existente no país, explicou à Efe que o objetico é "abrir um debate na sociedade argentina para que as pessoas possam expressar sua discordância com algumas posturas da Igreja Católica." Miñones reconheceu que a Argentina é um país eminentemente católico e admitiu que os organizadores da campanha confiam em conseguir grandes deserções, embora tenha considerado que seja um passo importante lançar esse debate inédito.  O gatilho para a iniciativa no país, lembrou, foi a polêmica que se iniciou em novembro passado no vizinho Uruguai sobre a descriminalização do aborto e a linha radical que a Igreja Católica uruguaia adotou com ameaças de excomunhão.  A campanha se articula em torno de uma página na web (apostasiacolectiva.org) onde os interessados podem baixar uma carta de renúncia a seu batismo que devem dirigir a seus respectivos arcebispados.

Tudo o que sabemos sobre:
religiãoateísmoArgentina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.