Arqueólogos descobrem navio negreiro que naufragou em 1841

Boa parte da população das ilhas caribenhas de Turks e Caicos têm ligação direta com os escravos sobreviventes

AP

25 de novembro de 2008 | 19h44

Arqueólogos marítimos encontraram os restos de um navio negreiro que naufragou nas ilhas caribenhas de Turks e Caicos, em 1841, um acidente que libertou os ancestrais de muitos dos atuais habitantes das ilhas.  Cerca de 192 africanos sobreviveram ao naufrágio do navio espanhol Trouvadore e foram para as ilhas de governo britânico, onde o comércio de escravos era proibido.  Com os anos, o navio foi esquecido, isso o pesquisador Don Keith. Então, quando a descoberta conectou o navio aos atuais residentes, a primeira resposta "foi um certo choque, uma falta de compreensão", explicou.  Mas depois que o trabalho foi divulgado, "as pessoas realmente acreditaram nele", disse, e o museu local ajudou os pesquisadores.  Keith e seus colegas da organização texana Ships of Discovery encontraram uma carta no Instituto Smithsonian que se referia ao naufrágio e começaram a procurar pelo navio.  "As pessoas das ilhas Turks e Caicos têm uma ligação direta com esse evento histórico dramático", afirmou. "É realmente um mistério, uma história de detetive." "Fazemos tudo isso porque reconhecemos a importância da história. É uma parte importante do passado das ilhas." Quando o naufrágio foi descoberto pela primeira vez em 2004, ele foi chamado de navio Black Rock, porque os pesquisadores não tinham certeza de sua identidade. Eles então ficaram certos, devido a sua idade e estilo, que era o Trouvadore. "Não tivemos sorte suficiente para encontrar o sino com 'trouvadore' escrito", explicou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.