Arqueólogos descobrem templo de 4.500 anos no Peru

A descoberta do templo de barro de 20 metros de largura pode revelar a origem das culturas do norte do Peru

Efe

06 de junho de 2008 | 17h11

A descoberta de um templo de 4.500 anos pode revelar a origem das culturas do norte do Peru, disse nesta sexta-feira, 6, à Agência Efe o arqueólogo Ignacio Alva.   "Descobrimos a origem do templo da região de Lambayeque e um dos templos mais antigos do Peru. A importância (do achado) é ter encontrado as origens da cultura da grande região de Lambayeque", afirmou Alva.   O templo de barro, de aproximadamente 20 metros de largura, pertence ao primeiro período de construção de uma enorme pirâmide, na colina Ventarrón, na província de Chiclayo, aproximadamente 780 quilômetros ao norte de Lima.   No primeiro piso, relativo à primeira etapa erguida em barro há 4.500 anos, durante o período arcaico pré-cerâmico, Ignacio Alva descobriu um desenho em relevo de dois peixes cruzados junto a um altar de fogo.   Para Alva, a representação dos peixes tem relação com as "mãos cruzadas" das ruínas de Kotosh (região central de Huánuco), de cerca de 4.000 anos, porque tem "quase a mesma técnica e o mesmo tamanho".   No entanto, o resto do primeiro piso de Ventarrón não é conhecido totalmente porque "está sepultada pelas (paredes) que vieram depois e se sobrepuseram", contou Alva, que no ano passado descobriu em Ventarrón o desenho de um veado capturado por redes de caça de mais de 4 mil anos de idade e que pertence à segunda fase de construção.

Tudo o que sabemos sobre:
arqueologiaPeruciência

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.