Arqueólogos encontram construção pré-inca de 3 mil anos

Além disso, os arqueólogos encontraram cerâmicas com figuras de animais e outros desenhos

Efe

16 de junho de 2008 | 17h10

Um grupo de arqueólogos descobriu na cidade andina de Vilcashuamán, no Peru, um centro de cerimônias pré-inca de cerca de três mil anos de idade formado por blocos de pedra de mais de duas toneladas, informou hoje o jornal local El Comercio. A equipe formada por estudantes da Universidade de Yale fez escavações a apenas 600 metros do centro de Vilcashuamán, que na época inca foi um dos pólos administrativos mais importantes da região, e encontraram os restos de um centro cerimonial datado do período entre 1.800 e 200 a.C. O complexo, denominado Campanayuq rumi pelos habitantes da zona, tem três plataformas retangulares de seis metros de altura que ocupam uma área de 70 por 50 metros cada uma e estão dispostas em forma de "U", rodeando uma praça abaixo do nível do solo. Nas escavações também foram descobertas uma série de escalinatas e um sistema de drenagem subterrâneo usado para proteger a estrutura do templo. Além disso, os arqueólogos encontraram cerâmicas com figuras de animais e outros desenhos que pertenceriam a culturas Paracas e Nazca, que se desenvolveram no litoral do atual Peru, o que indica uma dinâmica troca comercial. Os arqueólogos, que terminarão os trabalhos de escavação em uma semana, pediram apoio às autoridades para proteger a área e evitar danos nas estruturas enquanto prosseguem as investigações. O Peru possui um enorme patrimônio arqueológico e cultural e periodicamente aparecem novos vestígios de sociedades pré-colombianas. No entanto, o rico patrimônio fica exposto aos perigos do espólio cultural e à dificuldade para manutenção e proteção dos achados.

Tudo o que sabemos sobre:
arqueologiaPeru

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.