Arqueólogos encontram nova pirâmide no Egito

Acredita-se que monumento tenha sido túmulo da rainha Sesheshet, mãe do rei Teti da Sexta Dinastia

Reuters

11 de novembro de 2008 | 15h03

Arqueólogos egípcios descobriram uma pirâmide enterrada no deserto e que se acredita que tenha pertencido à mãe de um faraó que governou há mais de quatro mil anos, disse o chefe de antiguidades do Egito nesta terça-feira, 11.   A pirâmide, encontrada há cerca de dois meses ao sul do Cairo, provavelmente abrigava os restos da rainha Sesheshet, mãe do rei Teti, que governou de 2323 a 2291 a.C. E fundou a sexta dinastia egípcia, disse Zahi Hawass.   "A única pirâmide de rainha que ainda não havíamos encontrado era a de Shesheshet, que é como eu tenho tanta certeza que esta pertencia a ela", afirmou. "Isso irá enriquecer nosso conhecimento sobre o Antigo Reinado."    A sexta dinastia, um tempo de conflito na família real egípcia e de erosão do poder centralizado, é considerada a última dinastia do Antigo Reinado, depois da qual o Egito decaiu.   Foto: AP     Arqueólogos já descobriram pirâmides de duas esposas de reis nas proximidades, mas nunca encontraram a tumba de Sesheshet.   A pirâmide sem topo de cinco metros de altura, alcançava originalmente cerca de 14 metros, e tem 22 metros de largura, disse Hawass.   Foto: AP   A pirâmide, que Hawass disse ter sido a 118° encontrada no país, foi encontrada nas proximidades de Saqqara.   O monumento era originalmente coberto por uma camada de pedra branca. Arqueólogos planejam entrar na pirâmide em duas semanas, embora a maior parte de seu conteúdo deva ter sido levada por ladrões há muito tempo.

Tudo o que sabemos sobre:
arqueologiaEgito

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.