Autoridade de Antiguidades de Israel (AAI)
Autoridade de Antiguidades de Israel (AAI)

Arqueólogos encontram 'O Pensador' da Idade do Bronze

A curiosa figura desenterrada em Israel está sentada com a mão direita no queixo e a mão esquerda sobre um dos joelhos, em aparente atitude de reflexão

Fábio de Castro, O Estado de S. Paulo

25 Novembro 2016 | 08h00

Arqueólogos descobriram em Israel uma estátua de 3,8 mil anos que representa uma inusitada figura humana feita de argila. O pequeno personagem com grandes olhos redondos, de 18 centímetros de altura, está sentado com a mão direita no queixo e a mão esquerda sobre um dos joelhos, em aparente atitude de reflexão.

A Autoridade de Antiguidades de Israel (AAI), responsável pelas escavações arqueológicas no país, classificou o objeto como "um achado raro" por conta da postura do personagem, que foi modelado na Idade do Bronze, mas traz à lembrança a célebre escultura O Pensador, do francês Auguste Rodin (1849-1917).

O misterioso personagem faz parte de um garrafão de argila que foi desenterrado em outubro, no último dia de uma série de escavações arqueológicas realizadas na cidade de Yehud, a 12 quilômetros de Tel-Aviv, antes do aval oficial para a construção de um imóvel.

De acordo com o Times de Israel, o responsável pelas escavações, Gilad Itach, é provável que "primeiro se tenha preparado uma cerâmica característica do período e, depois, adicionou-se essa estátua única". Segundo ele, o objeto não tem nenhum paralelo conhecido.

"O nível de precisão e de detalhe atingidos na criação dessa escultura de quase 4 mil anos é extremamente impressionante. O  gargalo do garrafão serviu como base para formar a parte superior da figura humana e, depois, as pernas e o rosto foram adicionados à escultura", disse Itach.

Além do garrafão do "Pensador", os arqueólogos também encontraram no local outros aparatos de cozinha feitos de barro, punhais, pontas de flechas de metal, uma lâmina de machado e ossos de uma ovelha e de um outro animal que provavelmente era um burro. De acordo com Itach, é provável que itens sejam objetos funerários, que pertenceram a um membros proeminente do povo cananeu, que vivia na região na Idade do Bronze.

"Era comum na Antiguidade acreditar que os objetos enterrados ao lado de um indivíduo morto o seguiriam ao além. Até onde sei, um conjunto funerário tão rico, incluindo uma cerâmica tão única, jamais havia sido descoberto antes no país", disse Itach.

Escavações preventivas. A pequena cidade de Yehud tem crescido rapidamente e diversas escavações arqueológicas preventivas têm sido realizadas nos últimos anos nos terrenos que serão destinados à construção. 

Graças a essas escavações, no início do ano, perto do local da nova descoberta, arqueólogos encontraram um cemitério da Idade do Bronze com 94 sepulturas de homens, mulheres e crianças. Os mortos haviam sido enterrados com todo um aparato funerário: cerâmicas, objetos de metal como punhais, joias, ossos de animais e pequenos objetos egípcios em forma de escaravelho, que eram usados como amuletos.

Além dos achados da Idade do Bronze, os arqueólogos também encontraram objetos do período Calcolítico, também conhecido como Idade do Cobre - entre o Neolítico e a Idade do Bronze. Os objetos de cerca de 6 mil anos incluem uma instalação em forma de pedra circular - que pode ter servido como um antigo poço - e fragmentos de uma batedeira de manteiga feita de cerâmica.

Mais conteúdo sobre:
Israel Auguste Rodin Antiguidade

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.