REUTERS/Mike Blake
REUTERS/Mike Blake

As calorias dos oceanos

A queda dos níveis de oxigênio prejudica os seres vivos nos oceanos e a maior evaporação é uma das causas do aumento de tempestades, secas e furacões

Fernando Reinach, O Estado de S.Paulo

18 de janeiro de 2020 | 05h00

Chineses e americanos concordam em poucas coisas. Uma delas é a quantidade de calor que vem se acumulando nos oceanos. Foram publicadas medidas feitas por americanos e chineses em 2019 e elas são idênticas. Em 2019, a quantidade de calor acumulada nos oceanos bateu o recorde, foi a maior desde 1950. Aliás, nos últimos cinco anos, a cada ano esse valor bate o recorde histórico e, nos últimos 20, a cada ano esse valor aumenta. 

Esse dado, obtido usando milhares de termômetros espalhados por todos os oceanos, é a mais sólida evidência experimental de que a Terra está aquecendo. Quando pensamos em aquecimento global o que vem à mente é o aumento da temperatura do ar, mas na verdade 90% do superávit de calor acumulado no planeta é absorvido pelos oceanos.

Para entender o balanço energético do planeta basta imaginar uma panela fechada, cheia até a metade com água, colocada em cima de um fogareiro, no local mais frio da Antártida. Se o fogareiro estiver apagado, a panela esfria e a água congela. É isso o que aconteceria com o planeta (a panela) se o Sol (o fogareiro) não existisse. Por outro lado, se o fogareiro estiver com a chama no máximo, apesar de a panela perder calor continuamente para o ar gélido da Antártida, ela esquenta e mantém uma temperatura alta. É o que acontece nos planetas muito próximos ao Sol, como Vênus

A vida só existe na Terra porque a quantidade de calor que recebemos diariamente do Sol (nosso fogareiro) e a quantidade de calor que a panela Terra perde para seu entorno são aproximadamente iguais. Por isso, a temperatura da água na panela (os oceanos) e do ar na panela (a atmosfera) permanecem dentro da faixa em que a vida pode existir. Como nos últimos bilhões de anos nosso fogareiro solar tem enviado quantidades constantes de calor em nossa direção, e a Terra perde para o espaço essa mesma quantidade de calor, tudo o que entra é perdido para o espaço sideral. E por isso a Terra permanece com aproximadamente a mesma temperatura. É como uma conta bancária em que os depósitos equivalem aos saques e o saldo não muda.

O que vem acontecendo nos últimos 150 anos é que a queima de combustíveis fósseis liberou na atmosfera os chamados gases de efeito estufa. Esses gases (o principal é o CO2) dificultam a saída do calor recebido pela Terra do seu fogareiro. É como se colocássemos sobre nossa panela um cobertor que dificultasse a saída do calor, mas não impedisse sua entrada. Nessas condições, o saldo da conta corrente começa a aumentar. E a Terra esquenta. É o tal aquecimento global. 

O que os cientistas medem todo ano é a quantidade de calor que se acumula tanto no ar quanto nos oceanos, ou seja, quanto o saldo dessa hipotética conta aumenta a cada ano. E o que eles descobriram é que esse saldo aumenta cada vez mais rápido (se calor fosse dinheiro estaríamos felizes). O gráfico mostra quanto calor se acumulou nessa conta corrente a cada ano, ou seja, quanto ficou depositado (ou retido) nos oceanos. O eixo vertical é a medida em zeta joules (ZJ) por ano e o eixo horizontal é o ano da medida. A linha horizontal é a média entre os anos de 1981 e 2010.

Em 2019, a quantidade de calor acumulada nos oceanos aumentou 228 ZJ. Um ZJ são 102²¹ joules (o número dez seguido por 20 zeros). O joule é uma medida de calor como a caloria (aquela dos rótulos de alimentos). É uma quantidade absurda de calor. 

Faça a conta: aproximadamente 4,2 joules equivalem a uma caloria e uma caloria é a quantidade de calor necessária para aquecer um mililitro de água em 1°C. Ou seja, no ano de 2019 os oceanos acumularam 54.000.000.000.000.000.000.000 calorias (ou 54 ZCal). Não é por acaso que a temperatura dos oceanos está aumentando. E, pior, o aumento está ocorrendo cada vez mais rápido.

Com o aumento da temperatura dos oceanos, a quantidade de oxigênio que pode ser dissolvida na água diminui e a evaporação aumenta. A queda dos níveis de oxigênio prejudica os seres vivos nos oceanos e a maior evaporação é uma das causas do aumento de tempestades, secas e furacões. Além disso, o aumento da temperatura provoca o degelo e o aumento do nível dos oceanos.

Essa série de medidas experimentais (não são modelos matemáticos, mas medidas diretas) são a prova cabal de que o aquecimento global é real. Sabemos que ele existe, sabemos as causas, mas seremos capazes de mudar a maneira como vivemos? Tenho minhas dúvidas.

MAIS INFORMAÇÕES: RECORD-SETTING OCEAN WARMTH CONTINUED IN 2019. ADV ATMOS. SCI. VOL 37 PAG. 137 (2020)

*É BIÓLOGO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.