Aspirina reduz risco de câncer de pele, diz pesquisador

Cientistas australianos revelaram nesta segunda-feira que aspirina e remédios antiinflamatórios que não contêm esteróides podem reduzir o risco de se contrair câncer de pele. Segundo David Whiteman, do Instituto de Pesquisa Médica de Queensland (QIMR), a aspirina impede a ação da enzima produzida pelo câncer de pele."Sabe-se que o câncer de pele produz uma enzima e a utiliza para desenvolver vasos sanguíneos e crescer sob a pele. O que a aspirina faz é evitar que a enzima se reproduza", explicou Whiteman à emissora australiana ABC. O estudo envolveu mil pessoas no nordeste da Austrália.Para que esses remédios ajudem a prevenir o câncer de pele é preciso tomá-los com regularidade, disse o pesquisador. O estudo constatou que os efeitos são imediatos nos pacientes que tomaram o remédio duas vezes por semana durante cinco anos.Os cientistas de Queensland acham que sua pesquisa servirá como base para futuros estudos para estabelecer novas estratégias da luta contra o câncer de pele.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.