Asteróide passa a pequena distância da Terra

Um asteróide de 30 metros de diâmetro passará nesta quinta-feira a apenas 42,6 mil km da superfície da Terra, a menor distância já registrada pelos astrônomos para um objeto com estas características. Não há qualquer risco de colisão com o planeta.Mesmo que ele entrasse na atmosfera, seria desintegrado pelo atrito e causaria poucos danos, conforme Paul Chodas, do departamento da Nasa para objetos próximos da Terra.Denominado 2004FH, o asteróide só será visto com uso de telescópios ou, pelo menos, binóculos potentes. O sul da África será privilegiado na observação.Por volta das 20h00 de Brasília o objeto estará no ponto máximo de aproximação, sobre o sul do Oceano Atlântico. Sua trajetória permitirá boas observações em quase todo o Hemisfério Sul, parte da Europa e Ásia.Caso comumÉ comum asteróides como o 2004FH passarem perto da Terra, a distância menor que a da Lua (entre 405,5 mil km e 363,3 mil km). A agência espacial norteamericana calcula que a cada dois anos um objeto como esse cruze o espaço nas proximidades do planeta, sem ser percebidos.A diferença, agora, não é apenas a distância recorde mas o fato de os astrônomos terem detectado a aproximação. Isto ocorreu numa observação de rotina, na madrugada de segunda-feira.Dois telescópios da National Aeronautics and Space, no Novo México, acusaram a aproximação do objeto a uma velocidade de 8,1 km por segundo. Os astrônomos calcularam a trajetória e se certificaram de que não havia risco de colisão com a Terra.Segundo Steve Chesley, do Laboratório de Jato-propulsão da Nasa, o asteróide será atraído pela gravidade terrestre, mas apenas o suficiente para curvar sua trajetória em cerca de 15 graus.No futuro, disse ele, é provável que o 2004FH venha a passar de novo por aqui, já que ele orbita o Sol.

Agencia Estado,

18 de março de 2004 | 15h05

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.