Astronauta inventa a xícara para gravidade zero

É verdade que os futuros tripulantes da Estação Espacial Internacional vão beber sua própria urina, graças a um recém-instalado purificador de líquidos, mas pelo menos o farão com o um toque de classe. O astronauta do ônibus Endeavour Don Pettit, que não esconde seu interesse por pequenas coisas aparentemente inúteis e foi engenheiro de vôo da estação em 2003, inventou uma xícara para gravidade zero, que retém o líquido junto a paredes feitas de plástico dobrado, dispensando o uso de um canudo. Num copo comum, líquidos levados à gravidade zero formam bolhas esféricas e flutuantes. Por isso, tudo é consumido em embalagens lacradas. Pettit odiava tomar café de canudinho, e usou o plástico transparente empregado em protetores de cabeça. Dobrou a folha de plástico no formato da asa de um avião e prendeu com fita adesiva. "Ele funciona porque o corte transversal dessa xícara parece com uma asa de avião. Este ângulo agudo faz com que o café suba", explicou Pettit num vídeo transmitido ao Centro de Controle da Missão da Nasa, em Houston, e retransmitido pela TV Nasa. "Podemos tomar a maior parte do fluido dessas xícaras, e não temos mais que tomar nossas bebidas sugando um canudo numa bolsa", disse Pettit. Na quinta-feira, o astronauta montou mais uma xícara para o seu colega Stephen Bowen, e propôs um brinde ao Dia de Ação de Graças, à exploração espacial e "ao simples fato de que estamos no espaço e podemos". Uma das principais tarefas desta missão do Endeavour era instalar um sistema de 250 milhões de dólares destinado a reciclar a urina e outros dejetos líquidos da Estação, obtendo água potável. Por ocasião do Dia de Ação de Graças, os astronautas do ônibus e da Estação devem fazer uma ceia com peru desidratado, antes de fechar as escotilhas que unem as duas naves até a partida, na sexta-feira. O Endeavour deve pousar no Centro Espacial Kennedy, na Flórida, no domingo, depois de 16 dias no espaço.

IRENE KLOTZ, REUTERS

27 de novembro de 2008 | 20h06

Tudo o que sabemos sobre:
CIENCIANASAXICARA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.