Astronauta sul-coreana retorna a Seul como heroína

Yi Sob-yeon cumpriu a primeira missão especial da Coréia do Sul na Estção Espacial Internacional

Cecilia Heesook Paek, EFE

29 de abril de 2008 | 14h14

A astronauta sul-coreana, Yi Sob-yeon, retornou na segunda-feira a Seul, onde foi recebida como uma heroína após cumprir a primeira missão espacial da Coréia do Sul na Estação Espacial Internacional (ISS). Em sua chegada ao aeroporto de Incheon, a astronauta recebeu flores dadas pelos vários admiradores e jornalistas reunidos no local.  "Estou muito agradecida pelo apoio recebido de muita gente durante minha missão no espaço", disse Yi em uma coletiva de imprensa realizada no aeroporto. A Coréia do Sul acompanhou com grande expectativa a viagem da astronauta junto com outros dois cosmonautas russos à ISS, no último dia 8 de abril, como uma das tripulantes da nave "Soyuz TMA-12". Yi permaneceu no espaço dez dias e, lá, realizou 18 experimentos científicos. A cosmonauta será recebida hoje pelo presidente sul-coreano, Lee Myung-bak, e, com ânimo patriótico, ressaltou a necessidade de o povo sul-coreano se interessar pelo assunto do espaço para que o país se transforme em uma potência espacial. "O mais importante que aprendi, enquanto recebia treinamento e exercia minha missão na ISS, foi o fato de que um país nunca pode ser uma potência espacial sem interesse e apoio por parte de muita gente", afirmou a astronauta durante a entrevista coletiva. Yi disse que as experiências realizadas no espaço foram muito interessantes e que, agora, trabalhará para o desenvolvimento do programa espacial no país asiático. Junto a Yi compareceu Ko San, o perdedor da aposta espacial sul-coreana - ele foi escolhido primeiro para a missão espacial, mas foi substituído pela compatriota após ser acusado pelas autoridades das instalações russas de ter infringido as normas de segurança. Seu crime: retirar das instalações o manual de instruções, algo proibido pelas autoridades russas. Com esta troca inesperada, mudou toda a lista de estatísticas que as autoridades usam nestas ocasiões. Yi foi a 49ª mulher a viajar na órbita da Terra, transformando a Coréia do Sul no 36º país a enviar uma astronauta ao espaço. O Governo sul-coreano destinou mais de U$ 20 milhões para financiar o programa de instrução dos dois astronautas, a fim de promover a ciência na Coréia do Sul Yi e Ko San foram escolhidos em setembro do ano passado entre mais de 36 mil candidatos e ambos receberam o treinamento no Centro de preparação de Cosmonautas Yuri Gagarin, na Rússia. Mas isso não livrou Yi do apelido de "astronauta turista", dado por parte da opinião pública. Em relação a este assunto, durante a entrevista coletiva Yi resumiu o assunto dizendo que ela é uma astronauta, que pôde viajar ao espaço graças ao investimento do Governo sul-coreano e que cumpriu sua missão no espaço. Yi apresentava um aspecto saudável, embora tenha confessado que sofre de algumas doenças, devido ao impacto da aterrissagem no último dia 19, quando a nave surgiu a 420 quilômetros do local previsto. A partir de agora, Yi trabalhará para promover o programa espacial no país e será a embaixadora da ciência e tecnologia. Em sua agenda disputada, após a excursão espacial, destacam-se as entrevistas com políticos a quem Yi terá de visitar. Além do presidente Lee, Yi se reunirá hoje com o ministro da Educação e Ciência e Tecnologia, Kim Do-yeon, a quem informará de tudo relacionado à sua viagem. No início de maio, Yi se encontrará com as crianças nas cidades de Daejon e, em Gwangju, antes de viajar à Rússia no dia 20. E, no próximo mês, a cosmonauta irá para Nova York para se reunir com o secretário-geral da ONU, o também sul-coreano Ba Ki-moon.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.