Reprodução/Nasa TV
Reprodução/Nasa TV

Astronautas inspecionam Atlantis em busca de danos

Nave deve chegar ao Telescópio Espacial Hubble na quarta-feira, para iniciar uma série de reparos

Associated Press,

12 de maio de 2009 | 14h16

Os astronautas do ônibus espacial Atlantis inspecionaram a nave em busca de sinais de danos sofridos durante o lançamento, a caminho do Telescópio Espacial Hubble, onde executarão uma missão especialmente perigosa de reparos.

 

Veja também:

mais imagens Galeria: As 10 melhores do Hubble

 

Na Terra, a Nasa continua a preparar o ônibus espacial Endeavour, para que possa ser usado como nave de resgate caso o Atlantis tenha sofrido ou venha a sofrer danos que impeçam seu retorno em segurança. Na plataforma de lançamento usada pelo Atlantis, a Nasa descobriu uma quantia surpreendentemente grande de sinais de dano.

No primeiro dia passado inteiramente em órbita, a tripulação do Atlantis usou um braço mecânico com ponta de laser para buscar danos, durante uma varredura que deverá durar horas.  Fotos iniciais do lançamento indicam que o Atlantis está bem, mas serão necessárias várias análises para confirmar essa impressão inicial.

 

Enquanto a inspeção prosseguia, o ônibus espacial perseguia o telescópio orbital a uma distância de13 mil quilômetros.

 

 

 

O Atlantis alcançará o Hubble no início da tarde de quarta-feira, 13. Os astronautas vão capturar o observatório e, no dia seguinte, dar início à primeira de cinco exaustivas caminhadas espaciais para instalar novas câmeras e equipamentos no Hubble, além de reparar alguns instrumentos científicos quebrados. Esses instrumentos não foram projetados para serem manipulados no espaço, e é possível que o conserto não seja possível, ou apenas não funcione.

 

 

Antes de mais nada, no entanto, os astronautas precisam ter certeza de que a nave não foi danificada no lançamento. O ônibus espacial Columbia acabou destruído porque um pedaço de espuma que se soltou durante o lançamento quebrou parte da blindagem térmica da nave, em 2003.

Esta última viagem ao Hubble também é mais perigosa por causa de todo o lixo espacial na órbita do telescópio, a 560 km de altitude.

 

Diferentemente do que ocorre em voos espaciais de rotina, desta vez os astronautas não terão a Estação Espacial Internacional (ISS) para usar de abrigo no caso de a nave sofrer danos.

Tudo o que sabemos sobre:
hubbleatlantis

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.