Astrônomos produzem imagem de galáxia em ultravioleta

Galáxia do Triângulo está 'ardendo com estrelas em formação', segundo nota da agência espacial

Carlos Orsi, do estadao.com.br,

26 de fevereiro de 2008 | 16h22

Combinando 39 quadros, obtidos ao longo de 11 horas de exposição, astrônomos da Nasa criaram um mosaico em ultravioleta da Galáxia do Triângulo, localizada a 2,9 milhões de anos-luz da Terra. Segundo nota distribuída pela agência espacial, trata-se da mais detalhada imagem em ultravioleta já feita a abarcar uma galáxia inteira.   Imagem da Galáxia do Triângulo, feita pelo telescópio orbital Swift/Nasa   O ultravioleta é uma faixa do espectro eletromagnético composta por freqüências mais elevadas que a da luz visível e do infravermelho. Esse tipo de radiação é produzido em abundância por estrelas jovens, que aquecem a poeira circundante até fazê-la brilhar nessa faixa.   A Galáxia do Triângulo - que tem esse nome por ficar na constelação do Triângulo, no hemisfério Norte - é conhecida pela designação M33 e é parte do chamado Grupo Local, um aglomerado que galáxias que inclui a Via-Láctea. M33 tem um formato semelhante ao da nossa galáxia, mas apenas 10% da massa e 50 mil anos-luz de diâmetro, ou metade do tamanho da Via-Láctea.   Segundo a nota da Nasa, o telescópio ultravioleta Swift fez as imagens que compõem o mosaico usando três diferentes filtros entre dezembro e janeiro. A imagem inclui algumas estrelas da Via-Láctea em primeiro plano e galáxias mais distantes ao fundo.   De acordo com astrônomos da agência espacial, a imagem mostra M33 "ardendo com estrelas em formação", numa taxa muito maior que a de galáxias maiores do Grupo Local, como a Via-Láctea e Andrômeda.   Lançado em 2004, o telescópio Swift está em órbita da Terra e sua missão principal é investigar explosões de raios gama, misteriosas erupções de radiação que ocorrem no espaço e que, acredita-se, estão ligadas ao surgimento de buracos negros ou à destruição, ou fusão, de estrelas.

Tudo o que sabemos sobre:
galáxiam33ultravioleta

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.