Astrônomos registram choque entre grupos de galáxias

Astrônomos conseguiram observar, pela primeira vez, uma colisão de galáxias, ocorrida a cerca de 800 milhões de anos-luz da Terra. O evento colossal ocupou um espaço cósmico de cerca de 283,5 trilhões de quilômetros e foi detectado a partir de dados coletados pelo Observatório XMM da Agência Espacial Européia (ESA).São dois aglomerados de galáxias que entraram, aparentemente, num processo de fusão. Um dos grupos tem cerca de mil galáxias e o outro, aproximadamente 300.Segundo os cientistas, a colisão se assemelha ao choque de duas massas de ar, como as observadas pelos meteorologistas na Terra. "O panorama do clima cósmico mostra uma tempestade", brincou Patrick Henry, astrônomo da Universidade do Havaí, em entrevista coletiva por telefone.Apesar da turbulência, não há qualquer risco para a Terra, dada a grande distância do evento. "O prognóstico é de bom tempo a longo prazo, ou seja, em 7 bilhões de anos", disse Henry.Os astrônomos sabem há décadas que há pelo menos dois complexos de galáxias se fundindo na região da constaleção de Hydra, e dezenas de outros em colisão, mas este choque violento, em particular, oferece dados jamais obtidos sobre fenômenos assim.Segundo Henry, estas informações permitirão aprofundar estudos sobre a formação de constelações no início do desenvolvimento do Universo.

Agencia Estado,

24 de setembro de 2004 | 12h02

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.