Reuters
Reuters

Atraso do Endeavour pode complicar outros lançamentos

Representante da indústria espacial russa disse que este adiamento 'criará problemas' para outros voos

Efe e AP,

17 de junho de 2009 | 18h43

O adiamento do voo do ônibus espacial Endeavour para 11 de julho não afetará o dia a dia da tripulação da Estação Espacial Internacional (ISS), mas complica outros futuros lançamentos, como apontaram nesta quarta-feira, 17, fontes russas.

 

O porta-voz do Centro de Controle de Voos Espaciais da Rússia, Valeri Lindin, indicou que os aparelhos que deveriam ser transportados pela nave americana não são vitais para os seis tripulantes da plataforma orbital, que em nenhuma hipótese ficarão sem alimentos.

 

"Na estação há uma reserva intocável de comida e água suficiente para 40 dias. É justo o prazo que necessitaríamos para preparar e lançar para a ISS uma nave de carga", disse Lindin à agência de notícias Interfax.

 

A atual tripulação internacional da ISS é integrada pelos russos Gennady Padalka e Román Romanenko, o americano Michael Barratt, o japonês Koichi Wakata, o canadense Robert Thirsk e o belga Frank de Winne.

 

Um representante da indústria espacial russa disse à Interfax que este adiamento "criará problemas" para futuros voos para a ISS de naves de Rússia, Estados Unidos e Japão.

 

"Se as condições meteorológicas permitem lançar o Endeavour em 11 de julho, seu voo coincidirá com o lançamento e acoplamento à ISS do cargueiro russo Progress, por isso pode complicar a operação de engate", assinalou a fonte.

 

Segundo ela, caso o voo do Endeavour seja adiado por outra semana, seu retorno e aterrissagem coincidiriam com o lançamento em agosto da nave seguinte, algo que a Nasa jamais permitirá.

 

Nesse caso, o adiamento do voo previsto para agosto obrigaria a corrigir as datas dos lançamentos de outras naves: da japonesa HTV e da russa Soyuz TMA-16 em setembro e do cargueiro também russo Progress M-03M em outubro, como especificou a fonte.

 

Problemas

 

Pela segunda vez em quatro dias um vazamento de hidrogênio potencialmente perigoso obrigou a agência aeroespacial americana (Nasa, por suas iniciais em inglês) a adiar o lançamento do ônibus espacial Endeavour com destino à estação Orbital internacional, desta vez pelo menos até julho.

 

Inspetores da Nasa esperaram por quase uma hora depois de o vazamento ter sido percebido durante o abastecimento da espaçonave. Eles tentaram solucionar o problema por meio de comandos remotos antes de decidirem pelo cancelamento da decolagem, prevista para a madrugada de hoje.

 

O vazamento ocorreu no mesmo lugar de um outro ocorrido no sábado: num tubo de hidrogênio gasoso que se conecta com o tanque externo de combustível. Um problema similar provocou o adiamento da viagem três meses atrás.

 

Apesar da reincidência, a Nasa ainda desconhece a causa do problema. O vice-diretor do programa de ônibus espaciais da agência, LeRoy Cain, disse que o vazamento está sendo investigado. "Vamos descobrir qual é o problema e consertá-lo", disse ele.

 

Os gerentes da missão ordenaram os reparos após o atraso de sábado. A conexão e duas tampas foram trocadas. O mesmo tipo de reparo foi feito em março, mas os engenheiros não descobriram a causa do problema.

 

Os responsáveis pelo lançamento disseram que estavam orgulhosos pela forma como o grupo trabalhou nos últimos quatro dias tentando fazer com que o Endeavour viajasse até a estação espacial, com novos equipamentos para um laboratório japonês.

 

"Eu realmente gostaria que tivéssemos conseguido recompensá-los, os astronautas e as demais pessoas, com o lançamento nesta manhã", disse Mike Leinbach, diretor-assistente de lançamento da missão.

 

Mesmo antes do hidrogênio começar a vazar - uma situação muito séria já que o gás é muito inflamável - a Nasa corria contra o tempo para realizar o lançamento às 5h40 (12h40 em Brasília). O abastecimento foi atrasado em três horas por causa de tempestades na noite de terça-feira e o grupo de lançamento estava correndo para cumprir os horários.

 

Os sete astronautas ainda estavam nos alojamentos da tripulação quando o vazamento foi detectado. Na manhã desta quarta-feira, eles voltaram para o Centro Espacial Johnson, em Houston.

 

A Nasa programou um voo para a Lua, o primeiro em uma década. Dois satélites serão levados pelo Endeavour, que deve ser lançado na quinta-feira.

 

Depois de sábado, ângulos solares desfavoráveis impedirão o Endeavour de levantar voo até 11 de julho.

 

O Endeavour deveria levar a terceira e última parte de um grande laboratório japonês e suprimentos para os seis ocupantes da estação espacial. Um novo morador da estação deveria trocar de lugar com um astronauta japonês que está no local desde março.

 

O número de ocupantes da estação espacial dobrou no mês passado. Quando o Endeavour finalmente fizer sua viagem, será uma das mais longas visitas à estação espacial. A nave ficará quase duas semanas em órbita e serão realizadas cinco caminhadas espaciais.

 

Assim que o ônibus espacial se conectar à estação, haverá 13 pessoas juntas no espaço pela primeira vez na história.

Tudo o que sabemos sobre:
endeavourNasaespaçociência

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.