Aumenta ameaça de extinção de espécies animais

A União Mundial pela Conservação (IUCN, como é mais conhecida) divulgou, na sua sede em Gland, Suíça, a Lista Vermelha das Espécies Ameaçadas de Extinção - a principal fonte de informação sobre o status de plantas e animais em todo planeta. Na lista de 2002, são 11.167 espécies ameaçadas: 121 a mais que na última lista, divulgada há dois anos.Nesse período, algumas espécies tiveram sua situação piorada, passando de "em perigo" para "em perigo crítico", um passo anterior à extinção. Esse é o caso do lince ibérico (Lynx pardinus), cuja pequena população remanescente está confinada no quadrante sudoeste da península.Outro animal "em perigo crítico" é o antílope asiático saiga (Saiga tatarica), que anteriormente estava classificado como "dependente de conservação". De hábitos nômades, esse animal habita as estepes secas cobertas de gramíneas no deserto semi-árido da Ásia Central.Sua população havia sido estimada em mais de 1 milhão de indivíduos em 1993. Em 2000, esse número já havia caído para 200 mil e, no levantamento entre 2001 e 2002, foram encontrados menos de 50 mil indivíduos na natureza. A principal ameaça é a caça ilegal, tanto para a retirada da carne como dos chifres, disputado troféu de colecionadores e tradicional componente da medicina chinesa.Embora o quadro dominante seja de piora, duas espécies consideradas extintas foram encontradas na natureza. Na ilha Lord Howe, na Austrália, o inseto-palito (Dryococelus australis) e na Europa, o rato de pinheiro da Bavária (Microtus bavaricus), foram encontrados depois de terem sido considerados extintos durante décadas.De modo geral, os números de espécies ameaçadas acompanham a distribuição da diversidade pelo globo. Por isso, Indonésia, Índia, Brasil e China lideram, nessa ordem, a ameaça a mamíferos e pássaros. Quando se consideram as plantas, é na América do Sul, América Central, África Central e África Ocidental que o número de espécies vem diminuindo drasticamente.No Brasil, uma espécie que freqüenta há vários anos a Lista Vermelha na categoria "em perigo crítico" é uma arraia bastante comum nas águas ao sul do País, conhecida por "Brazilian Guitarfish" (Rhinobatos horkeli). Sua fragilidade está, na sobrepesca e numa maturação longa, com dois a três anos até que os jovens entrem em atividade reprodutiva.A IUCN tem coletado dados há 37 anos e a Lista Vermelha representa o esforço de mais de mais de 7 mil especialistas, além de organizações como a Birdlife International. Para o diretor geral da entidade, Achim Steiner, "a lista fornece um guia para a efetiva conservação da biodiversidade".

Agencia Estado,

08 de outubro de 2002 | 19h32

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.