Luciano Coca/Estadão
Luciano Coca/Estadão

Aumenta taxa de jovens que trabalham

Aquecimento da economia contribui para queda na frequência à escola  na faixa dos 18 aos 24 anos

Wilson Tosta, do Rio,

28 Novembro 2012 | 10h01

Os dados do IBGE mostram uma redução na frequência à escola por parte dos jovens 18 a 24 anos, "provavelmente em função do aquecimento da economia, contribuindo, ainda, nesse sentido, o fato de ter havido aumento na proporção de jovens que completaram o ensino médio nesse mesmo período" (2001 a 2011). A taxa de pessoas dessa faixa que somente trabalhava foi de 42,6% para 47,8%, enquanto a proporção de frequência à escola recuou de 34% para 28,9%. Já os idosos (60 anos ou mais), na mesma década, aumentaram de 15,5 milhões para 23,5 milhões, indo de 9% para 12,1% da população. Em sua maioria (55,7%) eram, em 2011, mulheres, brancas, com 3,9 anos de estudo em média e rendimento de todas as fontes igual ou superior a um salário mínimo.

 

"Na distribuição do rendimento mensal familiar per capita, percebe-se que os idosos têm uma situação relativamente melhor do que as crianças, adolescentes e jovens (...)", afirma o estudo. "Enquanto 53,6% das pessoas de menos de 25 anos de idade estão nos dois primeiros quintos da distribuição de rendimento, no grupo de idosos de 60 anos ou mais de idade, 17,9% encontram-se nesta situação, fruto das políticas sociais e previdenciárias que garantem benefícios mínimos de 1 salário mínimo para os idosos carentes do País." 

 

Mais conteúdo sobre:
IBGECensojovensidosos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.