Austrália atrasa plano contra mudança climática devido à crise

Governo datou a entrada em vigor da redução de CO2 em julho de 2011 devido à crise econômica global

Efe,

04 de maio de 2009 | 16h13

O Governo australiano cedeu nesta segunda-feira, 4, à pressão dos empresários para que atrase seu plano de luta contra a mudança climática, que penalizará as emissões de CO2 da indústria, e datou a entrada em vigor do mesmo em julho de 2011 devido à crise econômica global.

 

Veja também:

especialEntenda as negociações do novo acordo sobre mudança climática

especialEspecial: Quiz: você tem uma vida sustentável? 

especialEspecial: Evolução das emissões de carbono  

especialEspecial: As ações diárias que salvam o planeta 

 

O interesse fundamental do Governo australiano é "oferecer estabilidade aos negócios e ao investimento para o futuro", disse o primeiro-ministro australiano, Kevin Rudd, em Camberra.

 

O Executivo tinha se negado até agora a adiar por três anos a aplicação do mesmo, alegando que uma demora só serviria para piorar a situação do meio ambiente; mas finalmente cedeu a suspender sua aplicação durante um ano.

 

A redução de 5% dos gases que produzem o aquecimento global antes de 2020, um número muito menor do que 25% solicitado pelos ecologistas, foi uma das principais promessas eleitorais de Rudd.

 

O projeto de Rudd contempla a criação de bônus de emissões que poderão ser comprados ou vendidos a preços de mercado por todos os agentes industriais que precisem poluir. O Governo limitará a emissão destes bônus em função do número de gases que se proponha a reduzir a cada ano.

Tudo o que sabemos sobre:
aquecimento global

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.