Austrália mantém plano para taxar poluição a partir de 2010

Poluidores poderão negociar permissões de poluição em um mercado nacional como parte do esquema

AP

30 de outubro de 2008 | 18h20

A Austrália vai avançar com um plano de taxar emissões de carbono a partir de 2010, apesar da atual conjuntura de desaceleração, disse o secretário do tesouro Wayne Swan nesta quinta-feira, 30, ao lançar uma avaliação reafirmando o plano.  Em dezembro, o governo vai liberar os detalhes finais do plano, voltado para o corte das emissões de gases estufa no país em 60% até 2050.  O relatório do Departamento do Tesouro disse que a meta poderá ser atingida com pouco impacto sobre o crescimento econômico do país.  Ele prevê que o crescimento atingiria cerca de 1,1% ao ano em 2050 se a Austrália taxar as emissões de carbono e se transformar em uma economia de baixa emissão, enquanto o crescimento provavelmente ficaria em 1,2% sem as medidas.  Swan apoiou as previsões do relatório, mesmo com a maior parte dos cálculos tendo sido feita antes da crise econômica atual, que está diminuindo o ritmo da economia global.  Ele disse que a mudança climática é "um desafio de longo prazo para a prosperidade da nação", enquanto a crise atual é um desafio "substancial" mas de curto prazo."O que buscamos aqui é a saúde, prosperidade e sustentabilidade de longo prazo na Austrália", disse.  O governo vai anunciar em dezembro a redução de gases estufa de curto prazo assim como a taxa que estabelecerá por tonelada de poluição de carbono.  Poluidores poderão negociar permissões de poluição em um mercado nacional como parte do esquema.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.