Austríacos fazem teletransporte através do Danúbio

Cientistas de Viena concluíram com sucesso o primeiro experimento de teletransporte fora do ambiente de laboratório. Eles conseguiram transportar certas propriedades físicas de partículas de luz de um lado do Rio Danúbio para outras partículas a 600 metros de distância, na margem oposta do rio.A transmissão foi feita por meio de um cabo de fibra de vidro, passado por uma tubulação de esgoto por baixo do rio.Os fótons não desapareceram de um lado e reapareceram do outro, como se faz com os personagens de série Jornada nas Estrelas. O que foi teletransportado foi o estado quântico de um para outro - como se o comportamento de uma pessoa fosse passado instantaneamente para outra.Os mesmos pesquisadores já haviam realizado o feito em laboratório. Mas essa é a primeira vez que o teletransporte quântico é feito em condições reais, sujeito a flutuações de temperatura e outros fatores ambientais. À prova de interceptaçãoEspera-se que a técnica, no futuro, permita o transporte de informações totalmente à prova de escutas e interceptação, entre outras aplicações."Demonstramos o teletransporte quântico a grande distância e com alta fidelidade sob condições reais fora de um laboratório", escrevem os pesquisadores no estudo, publicado na edição desta quinta-feira da revista Nature.Em abril, a equipe coordenada por Anton Zeilinger realizou uma transferência bancária com criptografia quântica, que é baseada no teletransporte quântico."Muitos acreditavam que os sensíveis estados quânticos não podiam ser transferidos sob condições reais", disse Rupert Ursin, da Universidade de Veneza, colega de Zeilinger e co-autor do experimento no Danúbio. Fótons cruzadosOs estudos são baseados no fenômeno dos fótons cruzados, descrito por Albert Einstein. Trata-se de um efeito da mecânica quântica segundo o qual dois fótons emparelhados e enviados em direções opostas permanecem comunicados entre si.Se você determina a polarização de um deles, pode contar que o outro se comportará da mesma maneira. O teletransporte de objetos - ou pessoas - não parece ser possível, segundo os cientistas. Mas o teletransporte quântico promete ter um papel importante no futuro das telecomunicações.

Agencia Estado,

19 de agosto de 2004 | 10h37

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.