Alberto Martin/Efe
Alberto Martin/Efe

Autor de ataque a João Paulo II quer ser cidadão polonês

Turco Mehmet Ali Agca será libertado no próximo dia 18 e expressa desejo de viver no país do falecido papa

Efe,

05 Janeiro 2010 | 12h31

O turco Mehmet Ali Agca, ultradireitista que feriu com um tiro o papa João Paulo II em um atentado, em Roma, em 13 de maio de 1981, pediu a nacionalidade do país natal da célebre vítima, a Polônia.

 

Veja também:

linkPapa coloca João Paulo 2º e Pio 12 mais perto da canonização

linkPapa Bento XVI nomeia cinco novos bispos para o Brasil 

 

Segundo informou nesta terça-feira, 5, o jornal turco Hurriyet, Agca está avaliando em que país poderá continuar a vida, após sua iminente libertação no próximo dia 18 da prisão turca de alta segurança em Sincan, nos arredores de Ancara.

 

Após suas demandas de morar no Vaticano e em Portugal serem rejeitadas, o advogado do detido apresentou em seu nome a solicitação da nacionalidade polonesa, destacando o desejo de Agca de viver na Polônia.

 

Há duas semanas, faltando um mês para terminar sua pena de prisão, Agca pediu permissão para abandonar parcialmente a prisão durante o dia, a fim de procurar trabalho, mas o Ministério da Justiça turco negou a solicitação, apesar de a legislação turca prever a concessão deste tipo de permissão.

 

O atacante do papa João Paulo II também não entrará no Exército, mas não por causa de sua idade (52 anos), mas devido a um relatório psiquiátrico que o aponta como uma "personalidade antissocial".

 

Há dois anos, o ultradireitista comunicou que tinha escrito uma nova bíblia na prisão e, em carta, pediu a Bento XVI para crer nela.

Mais conteúdo sobre:
papa Joao Paulo II Mehmet Ali Agca

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.