Leonhard Foeger/Reuters - 21/06/1998
Leonhard Foeger/Reuters - 21/06/1998

Autor do atentado contra João Paulo II deixará prisão em 2010

Turco Ali Agca ficará em liberdade após ter cumprido pena pelo assassinato de um jornalista antes do atentado

Efe,

08 Dezembro 2009 | 12h39

O turco Ali Agca, que tentou assassinar o papa João Paulo II em 1981, vai deixar no dia 18 de janeiro a prisão na qual cumpre pena na Turquia por outro crime, informa nesta terça-feira, 8, o jornal italiano Il Messaggero.

 

Segundo o diário, o turco ficará em liberdade após ter cumprido pena de prisão pelo assassinato de um jornalista, antes de disparar duas vezes contra João Paulo II, enquanto o pontífice atravessava a Praça de São Pedro do Vaticano, rodeado de fiéis, ferindo-o com gravidade, em 13 de maio de 1981.

 

O jornal italiano afirma que a libertação pode gerar polêmica, pois Agca expressou em várias ocasiões que quer viver fora de seu país e porque uma televisão americana teria oferecido US$ 2 milhões a ele em troca de uma entrevista exclusiva.

 

O turco não teria problemas para estabelecer residência na Itália, pois, após ser condenado à prisão perpétua em julho de 1981 pelo atentado contra o papa e de ser perdoado pelo próprio João Paulo II em 2000, o então presidente da República italiana, Carlo Azeglio Ciampi, lhe concedeu o indulto, antes de ele ser extraditado à Turquia.

 

Veja também:

linkBispo irlandês apresentará renúncia ao papa por abusos sexuais

linkFreiras irlandesas destinam 128 mi de euros a vítimas de abusos

 

A possibilidade de Agca receber US$ 2 milhões por uma entrevista fez com que o líder do partido governista Povo da Liberdade (PDL) no Senado italiano, Maurizio Gasparri, tenha afirmado que, caso confirmada, a oferta seria "uma degeneração dos sistemas de informação".

 

"É uma vergonha enriquecer os criminosos. É preciso dar destaque a essa ação escandalosa para que esta televisão, independente do país que pertença, seja boicotada de todas as formas", comenta Gasparri, em declarações divulgadas pelo "Il Messaggero". "A degeneração do mercado não pode levar a um horror deste calibre. Terroristas e assassinos devem ser calados, e não se transformar em estrelas ricas", acrescenta.

Mais conteúdo sobre:
atentado Joao Paulo II prisao Ali Agca

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.