Autoridades divergem sobre volume de vazamento tóxico

Há um verdadeiro desencontro nas informações passadas pelas autoridades mineiras e técnicos dos órgãos ambientais do Estado sobre o volume de resíduos químicos vazado de um reservatório da Indústria Cataguazes de Papel Ltda. que se rompeu no último sábado, atingindo os rios Pomba e Paraíba do Sul e provocando um acidente ambiental de grandes proporções.As primeiras informações indicavam que pouco mais de 20 milhões de litros de rejeitos industriais teriam vazado da barragem. Na última terça-feira, secretário de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Minas, José Carlos Carvalho, disse que ?estudos preliminares?, indicavam que pelomenos 12 milhões de litros da mistura tóxica teriam atingido o Rio Pomba.Chegou-se a esse volume, segundo ele, com base nas dimensões do reservatório, que possui 400metros de comprimento, 200 metros de largura e 15 de profundidade.Diante do mesmo cálculo, feito por técnicos que visitaram a indústria no início da semana, o presidente da Companhia de Saneamento de Minas (Copasa), Mauro Ricardo Machado Costa, informou que haviam vazado 1,2 bilhão de litros de rejeitos do açude.O número corresponde ao que vem sendo divulgado por autoridades do Rio. A assessoria de imprensa da Copasa informou que Costa se baseou também em informações da imprensa carioca. O pesquisador da Fundação Estadual de meio Ambiente (Feam), José Cláudio Junqueira, que trabalhou na região, disse nesta quarta-feira que cerca de 40 milhões delitros vazaram do reservatório. Nesta quinta, a assessoria do órgão informou que o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) estava responsável pela informação.Também nesta quarta-feira, o chefe do escritório regional do Ibama em Juiz de Fora, Aurélio Augusto de Souza Filho, disse à imprensa local que foi de três bilhões de litros o volume de material despejado na bacia hidrográfica dos rios Pomba e Paraíba do Sul. O cálculo leva em conta os 180 mil metros quadrados de superfície do lago - equivalente a 18 campos de futebol.Contudo, a assessoria de imprensa da gerência executiva do instituto em Minas disse que Souza Filho fora desautorizado a falar sobre o assunto.Segundo a assessoria do Ibama no Estado, ainda está sendo elaborado um relatório sobre o vazamento, mas, oficialmente, o órgão admite um volume de 10 milhões de litros.

Agencia Estado,

03 de abril de 2003 | 19h18

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.