Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Avião hipersônico abre perspectiva para novos foguetes

A Nasa, a agêcia espacial norte-americana, comemorou nos útimos dias uma importante conquista, que pode "revolucionar o mundo da aviação e dos vôos espaciais". O protótipo de avião hipersônico X-43 alcançou o recorde de 7.700 km/h, que é igual a sete vezes a velocidade do som, voando autonomamente propulsionado por um motor de hidrogênio conhecido como "traga ar".O recorde de velocidade para um veículo impulsionado com motor atmosférico já é um grande feito. O pequeno protótipo - um híbrido que reúne elementos de avião e nave especial - foi lançado, no sábado, de um B-52 e voou por 10 segundos antes de cair no Pacífico. O recorde anterior, de 6.000 km/h, era do protótipo X-15. O que mais anima os cientistas, contudo, é o sucesso do motor "traga ar", que suga o oxigênio da atmosfera e o injeta com grande força na câmara de combustão, onde se mistura com combustível e cria ignição espontânea. Segundo o chefe do projeto na Nasa, Vincent Rausch, esse tipo de motor pode ser alternativa ao sistema de tanques de oxigênio levados pelos foguetes.Sem tanquesOs foguetes transportam pesados tanques de oxigênio para produzir a queima de seu combustível. O novo motor, segundo a Nasa, consegue captar oxigênio em quantidade e velocidade adequadas à combustão, mesmo em altitudes extremas, onde este gás é escasso.A experiência de sábado faz parte dos esforços da Nasa para construir uma nave que supere a força da gravidade da Terra atingindo uma velocidade de 40.000 km/h. Um aparelho assim cumpriria uma etapa importante na construção de uma estação orbital a 395 km da Terra, e desempenharia um papel importante para levar o ser humano a Marte.O sucesso do protótipo abre também a possibilidade de construir aviões comerciais que percorram a distância entre, por exemplo, Nova York e Londres em menos de duas horas.A tecnologia tem particular interesse para o Pentágono, onde alguns estrategistas já sonham com bombardeiros que poderiam atingir alvos em qualquer parte do planeta em menos de duas horas de vôo. Hoje, o avião espião SR-71 Blackbird voa a até 3.500 km/h.RecordeO X-43A é um aparelho que mede apenas 3,6 metros de comprimento. Depois de se desprender da asa do bombardeiro, ele foi elevado a 30.500 metros de altitude por um foguete de 15 metros, a uma velocidade de 6.000 km/h, antes de começar a voar de maneira autônoma sobre o Pacífico a 7.700 km/h durante cerca de dez segundos.Essa velocidade é a maior atingida até agora por um aparelho que voe dentro da atmosfera terrestre. O experimento aconteceu 57 anos depois que o piloto de combate Chuck Yeager quebrou a barreira do som a bordo de um X-1, e três anos depois que, em 2 de junho de 2001, o vôo do primeiro X-43A terminasse com a explosão do aparelho.

Agencia Estado,

29 de março de 2004 | 16h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.