Lida Xing/Handout via REUTERS - 22/12/2021
Lida Xing/Handout via REUTERS - 22/12/2021

Bebê dinossauro conservado em ovo de 66 milhões de anos é achado na China; veja imagens

Bem preservado, o fóssil pode ajudar cientistas a entender mais sobre répteis pré-históricos

Leon Ferrari, O Estado de S.Paulo

22 de dezembro de 2021 | 11h20
Atualizado 22 de dezembro de 2021 | 13h54

Cientistas encontraram um embrião bem preservado de um dinossauro dentro do ovo, na China. Por causa do estado de preservação, essa é considerada uma descoberta rara, que pode ajudar a entender mais sobre dinossauros antes do nascimento e a relação deles com as aves. O fóssil recebeu o nome de Baby Yingliang, e tem entre 66 e 72 milhões de anos. 

 

Publicado na revista iScience, o artigo revisado por pares indica que o ovo encontrado tem 16,7 centímetros de comprimento por 7,6 cm de largura. Já o embrião ultrapassa 23 cm. Conforme os pesquisadores da China, Reino Unido e Canadá o fóssil é de um oviraptorssauro (terópode oviraptorídeo não aviário) em estágio final - ou seja, prestes a eclodir (nascer). 

Nos últimos 100 anos, muitos ovos e ninhos de dinossauros foram encontrados. No entanto, o “espécime articulado é um dos embriões de dinossauro não aviário mais completos já descobertos”, escreveram os cientistas. Com isso, consideram a descoberta como “extremamente rara”. 

Fion Waisum Ma, uma das co-autoras do relatório, disse ao ao jornal americano The Washington Post que a escassez de fósseis como esse levam cientistas a terem compreensão limitada sobre os estágios iniciais de crescimento e desenvolvimento até a eclosão de dinossauros. Agora, apontou ela, essa situação pode mudar.

O bebê dinossauro também traz indícios que podem ajudar a entender melhor o processo evolutivo das aves modernas. Isso porque o embrião está em uma posição dentro do ovo semelhante à dos pássaros. Algo que nunca havia sido detectado entre fósseis de terópodes não aviários. 

Conforme o Post, o ovo descoberto no sul da China ficou 15 anos guardado no Museu de História Natural Yingliang Stone. Os estudos começaram após o curador da instituição identificar ossos preservados entre as fissuras dos ovos fossilizados.

Relação com as aves 

Com a cabeça ventral ao corpo, um pé de cada lado e as costas enroladas ao longo do ovo, o Baby Yingliang está em uma posição pré-eclosão similar à das aves modernas. Essa disposição está relacionada ao sucesso do nascimento, pois permite maior estabilidade à cabeça, o que faz a bicagem da casca ser mais eficaz. 

Essa é a primeira vez que cientistas encontram um embrião de terópode não aviário nessa postura. Com isso, os cientistas levantaram a hipótese de que esse comportamento tenha sido originado com esses dinossauros. Porém, destacaram, é muito cedo para se ter certeza. A descoberta de fósseis embrionários adicionais é necessária para amparar a afirmação.

As aves evoluíram dos dinossauros terópodes durante a Era Mesozóica. Conforme os pesquisadores, herdaram muitos “aspectos aviários” dos répteis ancestrais, inclusive características reprodutivas./Com informações de The Washington Post

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.