Baleia desgarrada escapa de cientistas e se une a índios

Luna, a baleia assassina desgarrada, nadou facilmente para fora do curral de redes armado pelos cientistas que pretendem levá-la para um reencontro com seu bando. Em seguida, dirigiu-se para o grupo de índios que, em canoas tradicionais, gostariam de mantê-la por perto, considerando-a a reencarnação de um poderoso cacique.Autoridades em um barco inflável observavam enquanto a orca se afastava do curral. Finalmente, representantes das autoridades de pesca do Canadá e do Aquário de Vancouver desistiram dos esforços, na noite de ontem, mas prometeram tentar de novo nesta quarta-feira.A orca vive nestas águas desde 2001, depois que se separou da família. Conforme a baleia cresce, sua familiaridade com os humanos pode transformá-la num perigo para hidroaviões e barcos.Alguns índios do grupo Mowachaht-Muchalaht acreditam que Luna é a reencarnação de um cacique: eles dizem que baleia pareceu poucos dias após a morte de Ambrose Maquinna, que prometera retornar na forma de baleia assassina.Os índios batem com os remos no fundo das canoas e cantam para Luna, tentando atraí-la para longe dos cientistas. ?Ele escolheu vir conosco em vez de ser conduzido a um curral?, disse o atual cacique, Mike Maquinna.

Agencia Estado,

23 de junho de 2004 | 15h04

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.