Beatificação de Pio XII não foi aprovada por conflito com judeus

Segundo relator, Bento XVI não quis comprometer boas relações com comunidade judaica; Vaticano nega versão

Ansa,

19 de junho de 2009 | 18h52

O relator da causa de beatificação do papa Pio XII, padre Peter Gumpel, afirmou nesta sexta-feira, 19, que o papa Bento XVI não deu seu aval ao processo religioso para preservar as boas relações com a comunidade judaica.

 

Veja também:

linkJesuítas negam ter aberto arquivos sobre Pio XII

linkVaticano elogia acordo de Pio XI com a Alemanha nazista

linkPapa homenageia Pio XII após críticas de judeus

linkVaticano abre arquivos sobre ligações da Santa Sé com o nazismo

 

Em uma entrevista coletiva concedida em Roma, Gumpel revelou que Bento XVI ficou "impressionado" com a postura de certos setores da comunidade judaica. Segundo o padre, há representantes do Judaísmo para os quais o relacionamento com os católicos ficaria "permanentemente prejudicado" diante da beatificação de Eugenio Pacelli, nome de batismo de Pio XII.

 

O relator afirmou que o Pontífice nutre "grande admiração e estima" por Pio XII, inclusive em relação ao que "ele fez pelos judeus" durante a Segunda Guerra. Desta forma, Bento XVI só não teria assinado a beatificação, explicou Gumpel, porque quer fazer o possível para manter as "melhores relações com os judeus".

 

As declarações foram rapidamente contestadas pelo diretor de comunicação do Vaticano, padre Federico Lombardi. "A assinatura dos decretos que dizem respeito às causas de beatificação é de exclusiva competência do Papa, que deve ser deixado completamente livre em suas avaliações e decisões", afirmou o sacerdote.

 

Segundo Lombardi, "se o Papa pensa que o estudo e a reflexão sobre a causa de Pio XII levará ainda mais tempo, sua posição deve ser respeitada, sem que haja interferência de declarações não justificadas e inoportunas".

 

O pontificado de Pio XII teve início em março de 1939 e foi encerrado em outubro de 1958, quando ele faleceu. Ainda hoje, sua atuação durante a Segunda Guerra Mundial, e ante a perseguição de judeus praticada pelo regime nazista, é alvo de intensas discussões.

 

Também nesta sexta-feira, 19, o rabino-chefe de Roma, Riccardo Di Segni, disse que se Pio XII não for beatificado, o motivo não será o descontentamento dos judeus. "O procedimento sobre Pio XII é antes de tudo um problema interno da Igreja Católica", comentou.

Tudo o que sabemos sobre:
papa Bento XVIbeatificaçãoPio XII

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.