Bento XVI diz que 'famílias ampliadas' arruínam vida dos filhos

'A Igreja não pode se manter indiferente aos divórcios', disse o papa a um grupo de bispos brasileiros

Efe,

25 Setembro 2009 | 16h19

O papa Bento XVI disse nesta sexta-feira, 25, a um grupo de bispos brasileiros que as chamadas "famílias ampliadas" estão arruinando a vida de muitas crianças, que se sentem órfãs "não porque ficaram sem pais, mas porque têm muitos".

 

"A Igreja não pode se manter indiferente às separações e aos divórcios, que arruinam casas e causam danos aos filhos. Estes precisam ser instruídos e educados. O divórcio está fazendo com que, na chamada família ampliada, as crianças se sintam órfãs, não porque tenham ficado sem pais, mas porque têm muitos", declarou o pontífice.

 

A afirmação foi feita a representantes da Conferência Episcopal do Brasil nas regiões Nordeste 1 e Nordeste 4, liderados pelo arcebispo de Fortaleza.

 

O Bispo de Roma ressaltou que a família está baseada no casamento entre um homem e uma mulher e que na sociedade atual "há forças que parecem fazer para demolir o berço natural da vida humana".

 

Após ressaltar que a família tem seu fundamento no casamento e no plano de Deus para os homens, Bento XVI disse que, no atual mundo secularizado, os casamento diminuem" e ninguém se compromete a viver sobre premissas tão frágeis e instáveis, o que leva a um aumento das uniões de fato e ao aumento dos divórcios".

 

"Sobre essa fragilidade se consuma a tragédia de tantas crianças privadas do apoio dos pais e de vítimas do mal-estar social", acrescentou.

 

Após criticar as "famílias ampliadas", que "multiplicam os pais e as mães", o papa destacou que essa situação pode gerar conflitos e confusões na hora de educar os filhos, que vivem em um ambiente de precariedade.

 

Bento XVI assegurou que a solução está em uma volta "real" à família cristã, um lugar de confiança mútua, de liberdade e de educação para a vida.

Mais conteúdo sobre:
Bento XVI Vaticano

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.