Bento XVI lembra o significado do batismo durante Vigília Pascal

O Papa Bento XVI lembrou neste sábado, 22, o significado do sacramento do Batismo, com o qual Deus entra na vida dos devotos "pela porta do coração", e graças ao qual os fiéis estão "enraizados" na mesma identidade. Bento XVI disse estas palavras durante a homilia (comentário do Evangelho) da Vigília Pascal, um dos ritos mais antigos da liturgia católica, celebrada na Basílica de São Pedro do Vaticano. Com o Batismo, Jesus atrai os devotos em direção a ele, para a "vida verdadeira e lhes conduz pelo mar da história, freqüentemente tão obscuro, em cujas confusões e perigos correm o risco de se afundar freqüentemente." Bento XVI explicou aos fiéis que com o sacramento do Batismo, "o Ressuscitado vem a nós e une sua vida à nossa, nos instruindo no fogo vivo de seu amor. Formando uma unidade, uma só vida com ele, e desse modo uma só vida entre nós", afirmou. O Papa disse que "em um primeiro momento isto pode parecer muito teórico e pouco realista", mas quanto mais se vive na vida de batizados, mais se pode experimentar "a verdade desta palavra." As pessoas batizadas "nunca são realmente alheias umas às outras embora possam estar separadas por continentes, culturas, estruturas sociais ou eventos históricos", destacou. Quando os cristãos se encontram se "conhecem no mesmo Senhor, na mesma fé, na mesma esperança, no mesmo amor e experimentam o que é estar enraizado na mesma identidade, a partir da qual todas as diversidades exteriores, por maiores que sejam, se tornam secundárias", acrescentou. O Papa assinalou que Jesus Cristo trouxe do céu para a Terra, "a luz da verdade e o fogo do amor que transforma o homem", de modo que aqueles que têm fé sabem quem é Deus e como é, assim como sabem quem é o homem e qual a sua missão. Além disso, incentivou os presentes a protegerem essa luz de "todas as forças que pretendem extingui-la, pois os cristãos não foram chamados às trevas, mas à luz." O Papa deve batizar sete adultos que receberam antes as doutrinas do Cristianismo conforme prevê os mandamentos da igreja católica. São eles cinco mulheres e dois homens, procedentes do Peru, China, Camarões, Itália e Estados Unidos. A Vigília Pascal se celebra na noite de Sábado de Aleluia, que são Agustín chamou "mãe de todas as vigílias", em alusão à espera da ressurreição de Jesus Cristo. O Papa explicou que a morte de Jesus foi um "ato de amor" com o qual entrou no "amor do Pai", por esse motivo "sua partida se transforma em um retorno, em uma forma de presença que chega até o íntimo de cada um." A Vigília Pascal começou no átrio da Basílica de São Pedro com a bênção do fogo novo e o ato do Círio Pascual, símbolo de Cristo, "Luz do Mundo." O Papa realizou uma incisão sobre o círio, gravou uma cruz e o número do ano 2008, e recitou em latim: "Cristo ontem e hoje, princípio e fim, alfa e ômega. A ele pertence o tempo e os séculos, a ele a glória e o poder por muitos e muitos séculos." Depois, começou a procissão em direção ao altar maior, em meio a uma total escuridão e grande silêncio, mas logo o templo foi se iluminando pouco a pouco com as velas de milhares de pessoas que enchiam a basílica, acesas com a chama procedente do Círio Pascual. Assim que o Papa chegou ao altar, todas as luzes foram acessas e um diácono começou o canto do Exultet, um período da história da salvação. Os atos de Semana Santa continuarão amanhã com a missa do Domingo da Ressurreição e a bênção "Urbi et Orbe" do Papa na Praça de São Pedro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.