Bento XVI mostra preocupação com 'sombras no horizonte'

Pontífice encorajou os homens a não se desmoralizar e manter sempre acesa 'a chama da esperança'

Efe,

15 de janeiro de 2009 | 17h36

O papa Bento XVI expressou nesta quinta-feira, 15, sua preocupação com as "muitas sombras" que despontam no horizonte e que inquietam a humanidade, mas encorajou os homens a não se desmoralizar e manter sempre acesa "a chama da esperança". Bento XVI expressou essa inquietação no discurso que dirigiu aos membros da Polícia italiana encarregada da segurança externa do Vaticano, aos quais recebeu em audiência para a tradicional troca de felicitações pelo novo ano. "Começa um novo ano e muitas são nossas expectativas e esperanças. Mas não podemos esconder que, no horizonte, despontam muitas sombras que preocupam a humanidade. Não devemos nos desmoralizar, pelo contrário, temos que manter acesa a chama da esperança", afirmou o papa. O pontífice acrescentou que, para os cristãos, a esperança é Cristo, "o único que pode renovar o coração do homem e transformá-lo em um oásis de paz, o único que pode nos ajudar a construir um mundo onde reine a justiça e o amor". Sobre os policiais italianos que garantem a segurança externa do Vaticano, o papa disse que, quando era cardeal e se encontrava com eles, sempre pensava "nos sacrifícios" desse trabalho, devido aos turnos para a vigilância do recinto Vaticano. Bento XVI acrescentou que esses sacrifícios são feitos pelos policiais, mas também repercutem em suas famílias. O papa disse que o trabalho desses policiais é vivido como uma missão, "um serviço ao próximo, que obriga a uma constante vigilância e a uma harmonização da disciplina e da cordialidade, e o controle e a amparada dos peregrinos e turistas que vêm ao Vaticano".

Tudo o que sabemos sobre:
religiãoBento XVI

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.