Benzeno é mais tóxico do que se pensava

O benzeno é mais tóxico e perigoso do que se imaginava, revela um estudo feito por americanos e chineses, publicado na Science desta sexta-feira. Os pesquisadores constataram que uma pequena incidência de benzeno no corpo humano, na proporção de uma parte por milhão (1 ppm), é suficiente para danificar células sanguíneas e a medula óssea.A pesquisa foi conduzida por um grupo do Instituto Nacional de Câncer dos Estados Unidos, em Maryland, e do Centro de Controle e Prevenção de Enfermidades de Pequim. Foram comparadas amostras de sangue de 250 operários de uma fábrica de calçados na China com as de 140 pessoas não expostas ao benzeno em seus locais de trabalho.O estudo revelou que, além do já conhecido risco de causar leucemia, o benzeno atinge mais seriamente pessoas que apresentam mutações genéticas que afetam a enzima myeloperoxidasa, capaz de provocar danos às células sanguíneas.O benzeno (C6H6) é muito encontrado em solventes, como os usados na manutenção de impressoras a laser e fotocopiadoras, em combustíveis etc.

Agencia Estado,

03 de dezembro de 2004 | 11h51

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.