Billings inaugura primeira estação de tratamento de esgotos

A prefeitura de São Bernardo do Campo entrega amanhã a primeira estação de tratamento de esgoto em área de mananciais na região da Billings. A obra será inaugurada durante as comemorações de 78 anos da represa e foi viabilizada graças à assinatura de um termo de ajustamento de conduta, em abril de 2002, entre o município, o Ministério Público Estadual e os moradores do Jardim dos Pinheiros, que arcaram com parte do custo. Localizado às margens da represa, o bairro era um loteamento clandestino com cerca de 3,5 mil famílias, que convivia com esgoto a céu aberto até um ano atrás.Pelo acordo inédito, já que até então a Promotoria do Meio Ambiente não permitia intervenções dessa natureza em área de manancial, a Prefeitura se comprometeu a instalar a rede coletora do esgoto, assim como a colocação de guias, sarjetas e asfalto ecológico no local (tipo de pavimentação que permite a absorção de água). Aos moradores, coube a contratação e o pagamento da empresa responsável pela construção da estação de tratamento. Cada família está pagando 20 parcelas de R$ 28 por mês, enquanto estabelecimento comerciais e proprietários de casas de aluguel pagam R$ 35.A comunidade do Pinheirinho, como é chamado o local, também se prontificou a construir calçadas ecológicas - parte feita em grama, parte em concreto - e a reflorestar as áreas degradas, num trabalho de mutirão coordenado pela Secretaria de Habitação e Meio Ambiente. Serão plantadas em todo o bairro 4 mil mudas de árvores de 72 espécies nativas de Mata Atlântica. ?Conseguimos sensibilizar o Ministério Público sobre os problemas relacionados à compensação ambiental por compra de área - prevista na legislação ambiental vigente - e propomos o tratamento de efluentes como alternativa?, diz Osmar Mendonça, secretário de Habitação e Meio Ambiente de São Bernardo.Para a Promotoria de Meio Ambiente, a estação de tratamento é uma forma de os moradores que vivem em área de primeira categoria (a 50 metros da represa) compensarem os assentamento clandestinos na Billings. Segundo José Oliveira da Silva, presidente da Sociedade Amigos de Bairro do Jardim dos Pinheiros, o processo fez a comunidade tomar consciência de que é preciso preservar o manancial. ?A estação trará mais qualidade de vida para todos?, comemora.A tecnologia escolhida para o tratamento dos efluentes é a mesma utilizada pelas companhias de água e esgoto de Niterói e Petrópolis, no Rio de Janeiro, e tem capacidade para receber 650 m3 de esgoto por dia. Construída numa área de 400 m2, às margens da Billings, a estação permitirá um índice de pureza de 96% à água, que será represada em um lago artificial, de onde será destinada ao reuso, como a venda para empresas de ônibus, que a utilizarão para lavagem dos veículos, ou lavagem de ruas e avenidas.No final de 2002, mais dois acordos semelhantes foram assinados, com os bairros Jardim Canaã e Los Angeles. Por conta dos moradores, já estão sendo construídas mais uma estação de tratamento, que servirá aos dois bairros, além de uma estação elevatória para levar os efluentes do Los Angeles até o local.Comemoração de aniversárioA melhoria das condições ambientais da Represa Billings tem propiciado a volta, há cerca de um ano, de esportes náuticos no reservatório, o que não acontecia há 25 anos. Como parte do aniversário do reservatório, comemorado dia 27 de março, a Prefeitura de São Bernardo realiza nos dias 29 e 30, em parceria com o Acampamento do Instituto de Engenharia do Estado de São Paulo, Núcleo Pró-Vela e Movimento em Defesa da Vida (MDV), a 1ª Semana de Vela da Billings.?A realização do evento é resultado dos esforços para a preservação do meio ambiente?, acredita o prefeito William Dib. Além da proibição de reversão das águas do rio Pinheiros para a Billings, no início dos anos 90, cita a urbanização em áreas de manancial e o combate às ocupações irregulares promovida pelo município, que conta com 49 ?bairros ecológicos?.

Agencia Estado,

26 de março de 2003 | 09h13

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.