Biocombustível de grama corta CO2 em 94%, diz estudo

Pesquisa dos EUA concluiu que etanol do capim conhecido como 'switchgrass' também produz mais energia.

BBC Brasil, BBC

08 de janeiro de 2008 | 18h10

Uma pesquisa do governo dos Estados Unidos sugere que a produção de biocombustíveis a partir de um tipo de capim pode gerar mais energia e cortar as emissões de dióxido de carbono, em comparação com a gasolina. A equipe do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA, na sigla em inglês), baseada na Universidade de Nebraska, Lincoln, calculou que a produção e consumo de etanol derivado de uma gramínea comum nas pradarias americanas (chamada de switchgrass) diminuiu a emissão de CO2 em cerca de 94% quando comparado com um volume equivalente de gasolina. A gramínea em questão é uma espécie de capim comumente encontrado nas grandes planícies e pradarias dos Estados Unidos. A queima de biocombustíveis também libera dióxido de carbono, mas o cultivo da gramíneas absorve uma quantidade comparável ao gás liberado na queima. Ainda assim, a quantidade de energia consumida no cultivo e no processamento das lavouras usadas na produção do biocombustível faz com que este tipo de combustível raramente seja considerado "carbono-zero", neutro em emissões dióxido de carbono. "As emissões de gases de efeito estufa desta gramínea mostraram uma diminuição de 88% de emissões destes gases em comparação ao etanol convencional", afirmaram os pesquisadores. "O uso de resíduo de biomassa para produção de energia em uma biorrefinaria é a principal razão de as gramíneas e as pradarias cultivadas pelos homens apresentarem, em teoria, menores emissões de gases de efeito estufa do que os biocombustíveis de lavouras anuais (de alimentos), cuja produção atualmente é derivada de combustíveis fósseis", acrescentaram. A pesquisa foi publicada na revista especializada Proceedings of the National Academy of Sciences. O estudo foi realizado durante cinco anos e envolveu dez fazendas de tamanhos que variavam entre três a nove hectares. Prejudicial? Várias organizações do mundo todo, incluindo a ONU, temem que a produção de biocombustíveis possa prejudicar mais do que ajudar no corte de emissões de dióxido de carbono. As críticas à produção de biocombustíveis destacam o uso de grandes áreas de terras cultiváveis, que poderiam ser usadas para produção de alimentos, o que aumenta o preço destes produtos. "Comparando com os países europeus, os Estados Unidos têm uma boa parte das terras sendo mantidas fora da produção (de alimentos) no momento", disse Ken Vogel, um dos autores da pesquisa. "Estamos analisando o uso de switchgrass em terras cultiváveis de qualidade mais baixa. O objetivo é ter lavouras energéticas sendo cultivadas nestas terras, para que não entrem em competição com as lavouras de alimentos pelas melhores terras", acrescentou. Mais energia Os pesquisadores também descobriram que o etanol derivado da gramínea produzia 540% mais energia do que a quantidade necessária para a produção deste biocombustível. Segundo os cientistas 0,4 hectare de terra cultivada com esta gramínea pode produzir, em média, 320 barris de bioetanol. "Fizemos análises nas fazendas, então tínhamos todos os dados dos agricultores, a respeito de toda a energia necessária para estas lavouras. Conseguimos pegar estas informações e aplicar num modelo, desta forma conseguimos uma estimativa muito real", disse Ken Vogel. A energia necessária para a produção deste biocombustível engloba fertilizantes de hidrogênio, herbicidas, diesel e produção de sementes. Os Estados Unidos não têm nenhuma grande biorrefinaria deste tipo em operação. "No momento o Departamento de Energia está ajudando a financiar a construção de seis biorefinarias nos Estados Unidos. Estas usinas vão ficar prontas por volta de 2010", acrescentou Vogel. Apesar de o processo de produção de etanol a partir da switchgrass ser mais complexo do que o biocombustível produzido a partir de lavouras de alimentos (como o milho ou a cana-de-açúcar), o chamado "biocombustível de segunda geração" pode ter um rendimento em termos de energia muito maior por tonelada, pois utiliza a planta toda na produção.   BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.