Bispo católico é detido na China durante missa

Os católicos do país estão divididos entre os da Igreja oficial e da clandestina, em comunhão com Roma

Efe

25 de agosto de 2008 | 16h05

A Polícia chinesa deteve em uma igreja da província de Hebei o bispo de Zhending, Giulio Jia Zhiguo, que esteve em prisão domiciliar durante os Jogos Olímpicos de Pequim.   A detenção aconteceu no domingo, quando o prelado rezava uma missa na catedral de Wuqi, ato para o qual contava com a permissão das autoridades.   Os católicos da China estão divididos entre os que pertencem à Igreja oficial - controlada pelo Governo comunista - e à clandestina, em comunhão com Roma e não autorizada pelo Governo chinês.   Monsenhor Giulio Jia Zhiguo, principal dirigente de uma diocese com 110 mil fiéis e várias dezenas de sacerdotes e freiras, passou 15 anos na prisão, entre 1963 e 1978, e nos últimos anos foi detido e libertado pelo Governo chinês pelo menos 11 vezes.   Durante os Jogos Olímpicos realizados na China, ele foi um dos bispos submetidos à prisão domiciliar e vigilância contínua, uma medida decretada pelo Executivo para "evitar tensões".   As autoridades chinesas proibiram ainda a realização de "reuniões cristãs", apesar de milhares de fiéis de Zhending terem ido no domingo, último dia dos Jogos Olímpicos, à catedral para assistir à missa dominical.   Perante esta situação, a Polícia ordenou ao bispo que rezasse a cerimônia "para evitar enfrentamentos", apesar de Jia Zhiguo não ter podido concluir a missa, já que foi detido durante a sua celebração.

Tudo o que sabemos sobre:
religiãoChina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.