Blair crê em novo plano para o clima com apoio dos EUA

O primeiro-ministro britânico, Tony Blair, disse nesta quarta-feira que espera definir "um plano de ação" dos países desenvolvidos para enfrentar o aquecimento global, com a participação dos Estados Unidos.Em discurso aos parlamentares na Casa dos Comuns, Blair disse que iniciou discussões com George W. Bush e demais líderes para, se possível, anunciar o plano durante o próximo encontro do G-8 - os sete países mais ricos e a Rússia -, em julho em Gleneagles (Escócia)."Iniciamos uma discussão que, espero, deve ser concluída com um plano de ação (a ser anunciado) na reunião do G-8", disse ele, ao ser questionado sobre suas conversas com Bush sobre mudanças climáticas globais.Mas Blair admitiu que as negociações são difíceis, e que não há chances de fazer Bush ratificar o Protocolo de Kyoto - tratado internacional que estabelece metas para a redução de gases causadores do efeito estufa. A saída é buscar caminhos alternativos.Segundo o primeiro-ministro, os Estados Unidos poderiam concordar com um plano contendo "medidas específicas para nos ajudar a reduzir as emissões de gases". Blair disse que fará o "máximo que puder para persuadir os Estados Unidos e outros países" sobre a importância de combater o aquecimento global."A verdade crua é que, sem a América num processo de diálogo e ação na comunidade internacional, nós não vamos fazer progressos", afirmou Blair.Em apoio ao ponto de vista de Bush, Blair citou a necessidade de envolver no processo de restrições às emissões "não apenas os Estados Unidos mas também países emergentes, China e Índia em particular, sem os quais será muito difícil saber como poderemos progredir".  mudanças climáticas

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.