Brasil cobrará dos países ricos ações pelo ambiente

Durante a nova conferência mundial sobre o ambiente que será realizada em Johanesburgo, em agosto, o Brasil pretende cobrar firmemente dos países mais ricos os compromissos assumidos e não cumpridos na Rio 92. A posição brasileira foi anunciada pelo presidente Fernando Henrique Cardoso, no seu programa semanal de rádio Palavra do Presidente. "Nós precisamos ser firmes, porque avançamos nessa área do meio ambiente. A nossa imagem lá fora melhorou muito, graças à consciência dos brasileiros e às novas políticas de meio ambiente que adotamos", afirmou o presidente. Segundo ele, o Brasil tem todas as condições para reafirmar a sua soberania. "E se os países ricos se preocupam tanto com o que chamam de pulmão do mundo, que é a Amazônia, precisam mudar seus padrões de produção e de consumo, altamente prejudiciais ao meio ambiente" acrescentou. A reunião preparatória para a conferência mundial será amanhã, em São Paulo, quando, segundo o presidente, os ministros do Meio Ambiente da América Latina e do Caribe deverão definir uma posição conjunta para a conferência. "Há uma disposição de todos nós de cobrar dos países ricos o cumprimento dos compromissos da Rio 92, que, praticamente, não saíram do papel", afirmou Fernando Henrique. Ele citou como exemplo o compromisso assumido pelos países ricos, em 1992, de destinar 0,7% do Produto Interno Bruto no desenvolvimento dos países mais pobres. "Não só deixaram de cumprir como reduziram de 0,4% para 0,2% os investimentos de combate a pobreza. É isso mesmo, hoje, a ajuda das nações mais desenvolvidas se resume a metade do que era em 1992", lamentou.

Agencia Estado,

14 de maio de 2002 | 11h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.