<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=1659995760901982&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

Brasil defende acesso a pesquisa de países ricos

O Brasil propõe um novo regime de regras internacionais para garantir que os países em desenvolvimento tenham acesso aos resultados de pesquisas científicas financiadas pelos governos dos países ricos. A proposta foi apresentada à Organização Mundial de Propriedade Intelectual (OMPI) e será debatida por todos os governos no fim de setembro em Genebra.A sugestão sobre como compartilhar o resultado de pesquisas científicas faz parte de um documento emitido pelo governo brasileiro que estabelece os parâmetros de uma nova abordagem sobre o papel das patentes.?Ninguém é contra as patentes, mas queremos que a estrutura dos acordos internacionais dê ênfase à questão do desenvolvimento dos países e não apenas à questão da proteção de invenções?, afirmou o embaixador do Brasil em Genebra, Luis Felipe de Seixas Correa.Ao mesmo tempo em que o Brasil apresenta a proposta de uma agenda do desenvolvimento para a OMPI, Japão e Estados Unidos sugerem que um novo tratado internacional seja criado e dê maiores proteções aos proprietários de patentes.

Agencia Estado,

31 de agosto de 2004 | 15h54

Selecione uma opção abaixo para continuar lendo a notícia:
Já é assinante Estadão? Entrar
ou
Não é assinante?
Escolha o melhor plano para você:
Sem compromisso, cancele quando quiser
Digital Básica
R$
0, 99
/ mês
No primeiro mês
R$ 8,90/mês a partir do segundo mês
  • Portal Estadão.
  • Aplicativo sem propaganda.
Digital Completa
R$
0, 99
/ mês
No primeiro mês
R$ 18,90/mês a partir do segundo mês
Benefícios Digital Básica +
  • Acervo Estadão 146 anos de história.
  • Réplica digital do jornal impresso.
Impresso + Digital
R$
20, 90
/ mês
No primeiro ano
R$ 56,90/mês a partir do segundo ano
Benefícios Digital Completa +
  • Jornal impresso aos finais de semana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.