Brasil desenvolve prótese comandada pelo pensamento

Um acordo firmado entre o Hospital Sírio-Libanês e o cientista brasileiro Miguel Nicolelis pode viabilizar a primeira cirurgia no mundo para o implante de uma prótese neural em pessoas com paralisia ou membros amputados em um prazo médio de três anos.A intenção é fazer que braços e outros instrumentos robóticos sejam movidos apenas pelo pensamento com o objetivo de melhorar a qualidade de vida desses pacientes.O prazo é uma previsão. O próprio Nicolelis acredita que a tecnologia esteja disponível antes, mas não descarta um acréscimo de um ou dois anos.TécnicaA técnica foi desenvolvida por ele e sua equipe na Universidade Duke, Carolina do Norte (EUA), e é uma das mais promissoras e avançadas no campo.Sinais elétricos emitidos pelos neurônios quando uma ação é imaginada são captados e transformados, por meio de modelos matemáticos, em similares eletrônicos, usados por um braço mecânico para realizar a operação pensada mesmo a distância.Ela já foi aplicada com sucesso em macacos, que aprenderam a jogar videogame sem usar suas mãos, ativando um braço robótico quando pensavam em como agir.Pensamento e ondasO protótipo humano será similar, composto por microfios implantados no córtex cerebral, ligados por sua vez a microchips. Os sinais serão transmitidos por ondas de rádio em tempo real.Quando o paciente pensar em pegar um copo, por exemplo, o braço vai obedecê-lo naturalmente porque ele terá sido incorporado pelo cérebro como um membro extra.TreinamentoO contrato, assinado na quinta-feira em São Paulo, garante que a cirurgia seja feita no Sírio, de preferência em um brasileiro.Também prevê o treinamento de cirurgiões no Brasil e a transferência de tecnologia através de uma rede internacional de neurociência, que conta com centros nos Estados Unidos, Suíça, Israel, Japão e África do Sul."Entender o cérebro é entender nós mesmos, nosso passado e o futuro, nossas emoções, quem somos", disse o cientista.

Agencia Estado,

17 de junho de 2005 | 10h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.