Brasil deve quebrar patentes de remédios contra aids

O Brasil pretende quebrar a patente de cinco medicamentos usados para tratar pacientes com Aids até o fim de 2005. Várias reuniões já foram feitas entre laboratórios públicos, indústria farmacêutica e o BNDES para criar condições de produção de novas drogas no País a partir do próximo ano. "É uma decisão tomada, não se trata de um ponto a ser negociado. Temos de ter autonomia na produção", avaliou Pedro Chequer, coordenador do Programa Nacional DST-AIDS. "Ainda que tardiamente, a quebra de patente deverá ocorrer." Hoje, a compra de drogas importadas representam 80% dos gastos com a terapia anti-retroviral. Os 20% restantes são usados na produção nacional. Este ano, o País gastou R$ 586 milhões com medicamentos do coquetel. Para 2005, estão reservados R$ 600 milhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.