Brasil discute parceria espacial com a Ucrânia

O governo brasileiro iniciou nova etapa de discussões para o uso do Centro de Lançamento de Alcântara com o governo ucraniano. Uma delegação chegou ao País e, até sexta-feira, discutirá fórmulas que permitam o lançamento do foguete Ciclone 4, que vai colocar em órbita um satélite brasileiro. Uma das possibilidades é de que seja criada uma ?joint venture?, com representantes brasileiros e ucranianos.Da parte brasileira entrariam a Agência Espacial Brasileira e a Infraero. Essa alternativa, porém, esbarra em uma dificuldade: a necessidade de prévia aprovação no Congresso, o que atrasaria a execução do contrato.A Agência Espacial Brasileira espera que a Base de Alcântara esteja em funcionamento em 2007. Para isso, será preciso modernizar o centro de lançamento. Atualmente, ele está apto somente para lançamento de foguetes de pequeno porte. A proposta inicial é de que o Brasil arque com 50% dos custos da reforma e o governo da Ucrânia, com os outros 50%.O senador Ney Suassuna (PMDB-PB), que participou da reunião desta segunda-feira, afirma que o lançamento do satélite custaria ao Brasil US$ 52 milhões e as reformas na base, outros US$ 50 milhões. "É uma proposta infinitamente melhor do que a apresentada pelos Estados Unidos", afirmou o senador. Embora os contratos de licenciamento estejam sendo discutidos, é preciso, também, aprovar o acordo de salvaguardas tecnológicas que está tramitando no Congresso. Assinado em 2002, o acordo já passou pela Câmara dos Deputados. Há duas semanas, foi remetido para a Comissão de Relações Exteriores do Senado. A senadora Roseana Sarney (PFL-MA) foi nomeada relatora.

Agencia Estado,

18 de agosto de 2003 | 20h09

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.