Brasil e China apresentam relatórios sobre emissões

Brasil e China são países em desenvolvimento que alcançaram um alto grau de industrialização, mas não vinham cumprindo a Convenção Marco das Nações Unidas sobre Mudança Climática, que obriga os signatários a informar sobre emissões de gases. Nesta sexta-feira, ambos apresentaram seus relatórios em Buenos Aires, na 10.ª Conferência das Partes da Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP-10).Os principais dados sobre o Brasil haviam sido divulgados em Brasília, na quarta-feira.Em 1994, ano tomado como base para elaborar o relatório, foram emitidos 1,03 bilhão de toneladas de dióxido de carbono e 13,2 milhões de toneladas de gás metano. Em 1990, as emissões de carbono haviam sido de 979 milhões de toneladas. O desmatamento é a principal causa do aumento das emissões.No caso da China, em 1994 foram emitidos 2,6 bilhões de toneladas de dióxido de carbono (aproximadamente a metade das emissões dos Estados Unidos, o maior poluidor), 34,2 milhões de toneladas de metano e 850 mil toneladas de óxido nitroso."No próximo ano entrará em vigência o Protocolo de Kioto e outra história começará para nós. Esta comunicação nacional nos dá novo impulso para combater a mudança climática", afirmou o diretor do Departamento Legal do Ministério das Relações Exteriores da China, Gao Feng.MedidasTanto os representantes brasileiros quanto os chineses anunciaram na COP-10 as medidas que estão sendo tomadas para buscar uma redução das emissões.O diretor do Departamento de Ambiente do Ministério das Relações Exteriores, Everton Vargas, disse que o governo brasileiro iniciou um plano intensivo para deter a destruição da floresta tropical, principalmente na Amazônia.O representante chinês destacou que seu país tem programas de médio e longo prazo para reduzir as emissões de gases poluidores. Para a China, prevê-se que a mudança climática produzirá uma diminuição de 10% na produção agrícola entre 2030 e 2050, um fator de preocupação para um país que abriga 20% da população mundial e possui 7% das terras cultiváveis do planeta.MetanoOutro importante gás que contribui para o efeito-estufa é o metano, que ocorre em menor quantidade na atmosfera, mas possui um poder de aquecimento cerca de 20 vezes maior do que o CO2. Nesse caso, a principal fonte de emissão no Brasil é a pecuária.Todo boi ou vaca emite metano naturalmente pela respiração, como um subproduto da degradação de fibras vegetais no estômago. Cabeça por cabeça não parece grande coisa, mas quando se tem um rebanho de 195 milhões de bovinos, o acúmulo torna-se significativo.Segundo o inventário brasileiro, 92% das 10 milhões de toneladas de metano emitidas pela agropecuária do Brasil entre 1990 e 1994 foram provenientes da "fermentação entérica" do gado.Em termos do efeito na atmosfera, é algo mais ou menos equivalente às emissões de CO2 do setor energético brasileiro no mesmo período, segundo o pesquisador Alfredo José Barreto Luiz, da Embrapa. leia mais

Agencia Estado,

10 de dezembro de 2004 | 21h37

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.