Sergio Dutti/AE - 01/12/2009
Sergio Dutti/AE - 01/12/2009

Brasil e Ucrânia esperam lançar em 2010 o 1º foguete no País

Cauteloso, Lula fez referências aos seguidos atrasos no projeto da Base Alcântara, que passa por reparos

Tânia Monteiro, enviada especial,

02 Dezembro 2009 | 10h54

Os presidentes do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, e da Ucrânia, Viktor Yushchenko, assinaram nesta quarta-feira, 2, durante encontro nesta capital, acordos nas áreas de defesa, agricultura, educação, turismo e cultura. Os dois expressaram a expectativa de que seja possível fazer em 2010 o lançamento do primeiro foguete da série Ciclone IV, na Base de Alcântara (no Maranhão), onde a infraestrutura, destruída por um incêndio, está sendo instalada por meio de um projeto conjunto do Brasil e da Ucrânia.

 

Na entrevista coletiva que os dois presidentes deram nesta quarta-feira, o ucraniano comemorou o fato de seu país ter definido com o Brasil uma parceria "de nível estratégico" e afirmou estar convencido de que o primeiro lançamento do foguete Ciclone IV será feito 2010.

 

Lula, na mesma entrevista, foi mais cauteloso, fez referências aos seguidos atrasos no projeto de Alcântara, mas também disse esperar para 2010 o lançamento do primeiro foguete: "Meu mandato termina à meia-noite de 31 de dezembro de 2010. Eu espero que tenha tempo de fazer o primeiro lançamento do foguete ainda no meu mandato."

 

Em seguida, o presidente brasileiro justificou os muitos atrasos na instalação da infraestrutura do projeto de construção do centro de lançamentos de Alcântara dizendo que se devem a problemas com a comunidade quilombola local e à demora na concessão de licenças ambientais.

 

O acordo entre os dois países sobre Alcântara foi assinado em 2007. Houve vários atrasos no lançamento do primeiro Ciclone, e a previsão mais recente é a de que seja feito em dezembro de 2010.

 

Lula afirmou que o encontro de hoje serviu para "apressar decisões e destravar questões que estavam travadas" e têm causado os sucessivos atrasos. Já o presidente ucraniano disse acreditar que, com as conversas desta quarta-feira, foram resolvidos os problemas.

 

O presidente brasileiro comentou que, todas as vezes em que são feitos acordos internacionais, surgem problemas entre a assinatura e o começo do funcionamento de cada projeto. "Cada país tem o seu Congresso, tem a sua legislação ambiental, tem os seus problemas", disse, justificando a necessidade de prolongamento de negociações.

 

Segundo Lula, a importância do projeto brasileiro-ucraniano de lançamento de satélites está no projeto de defesa do Brasil, pois permitirá melhor controle do espaço aéreo brasileiro.No encontro de hoje, Lula e Yushchenko falaram também de negociações na área de energia nuclear.

 

Um dos acordos assinados hoje permitirá o fim da exigência de visto para turistas ucranianos que entram no Brasil e brasileiros que entram na Ucrânia, o que foi classificado como "uma vitória" pelo presidente ucraniano. Ele anunciou que chegou a um entendimento com o brasileiro também sobre uma ligação aérea entre os dois países, em sequência inicial de três vezes por semana, que começaria a funcionar dentro de seis meses.

 

Os dois presidentes não detalharam os acordos que assinaram na área de defesa. Disseram que há temas, nessa área, que ainda estão em negociação. Um dos projetos que estão sendo estudados é o da criação de um sistema de armamento de mísseis táticos.

 

Dentro de meia hora, às 15 horas locais, Lula participa de encontro empresarial Brasil-Ucrânia, com 38 empresários brasileiros e 250 ucranianos. O comércio entre os dois países, em 2008, foi de US$ 1 bilhão.

Mais conteúdo sobre:
Brasil Ucrania foguete Alcantara Maranhao

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.