Brasil participa de pesquisa mundial contra a asma grave

Há grupos de pesquisa para a broncoscopia em São Paulo, no Rio de Janeiro e no Rio Grande do Sul

Fabiana Cimieri, especial para o Estado,

25 de agosto de 2008 | 18h31

Um grupo de pesquisadores de instituições do mundo todo estão realizando um estudo multicêntrico para avaliar uma nova forma de tratamento para a asma grave: a broncoscopia. No Brasil, há grupos de pesquisa em São Paulo, no Rio de Janeiro e no Rio Grande do Sul.   A técnica consiste em inserir um broncoscópio de fibra ótica pelo nariz ou pela boca do paciente, que fica sedado. Um cateter é inserido até os brônquios, onde libera energia térmica capaz de afinar a musculatura lisa dos pulmões. Os sintomas da asma, como o chiado no peito e a falta de ar devem-se às contrações que esses músculos fazem. O procedimento é feito em ambiente hospitalar, mas o paciente precisa ficar apenas duas horas em observação, antes de ter alta e poder voltar para casa.   No Centro de Tratamento de Asma de Difícil Controle (CTADC) do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (HUCFF), estão sendo estudados 13 pacientes asmáticos acima de 18 anos. Alguns deles já passaram pelo tratamento há dois anos e não tiveram recaída dos sintomas.   A pneumologista e coordenadora do CTADC, Marina Lima, estima que até o ano que vem o novo procedimento seja aprovado pelo Food and Drug Administration (FDA), órgão governamental dos Estados Unidos. "Feito isso, o governo brasileiro poderá submeter a terapia à aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A previsão é que, após o término do estudo, em torno de cinco anos, o tratamento já esteja disponível para a população brasileira", calcula a pneumologista.   O estudo global já pesquisou cerca de 300 pacientes e, segundo Marina, em nenhum caso os sintomas voltaram a acontecer. Inicialmente o novo tratamento seria indicado apenas para casos graves e pacientes adultos.   De acordo com o Ministério da Saúde, a asma de difícil controle acomete cerca de 750 mil brasileiros. Anualmente, são internadas cerca de 350 mil com sintomas de asma e cerca de 10 morrem por dia.

Tudo o que sabemos sobre:
saúdeasma

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.