Brasil poderá vender imagens de satélite

O Programa de Cooperação Espacial Sino-Brasileiro deverá ter novos desdobramentos nos próximos meses. Está em fase final aformalização de uma espécie de joint-venture entre os dois países, que permitirá a comercialização de imagens captadas pelo satélite CBERS-2, lançado em outubro na China. "Já existem países interessados na compra das imagens", afirmou o presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB), Luiz Bevilacqua.Pelo acordo, o Brasil ficará encarregado da venda para países da América do Sul, enquanto a China, para o Extremo Oriente.Em maio, deverá ser assinado outro programa, desta vez para permitir o intercâmbio entre as imagens captadas pelo satélite sino-brasileiro.Bevilacqua encontrou-se na quinta-feira com o diretor- geral do Centro Chinês de Lançamento e Rastreio de Satélite (CLTC), Niu Hongguang, que chefia uma missão técnica chinesa. O grupo chegou ao Brasil nesta semana. Os técnicos também se encontraram com o Ministro da Ciência e Tecnologia, Eduardo Campos, para dar início ao programa envolvendo dois novos satélites - CBERS 3 e 4.O lançamento do CBERS 3 está previsto para 2006, na China. A intenção é de que o CBERS4 seja lançado na Base de Alcântara (MA), no ano seguinte. "Se tudo correr como o previsto, o CBERS4 deverá ser lançado com o Ciclone 4, veículo fruto da cooperação com a Ucrânia", disse Bevilacqua.A missão chinesa já visitou o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), nesta semana. Foi acertado que, a partir de julho, o controle das operações do CBERS 2 será assumido por uma equipe brasileira. Desde o lançamento do satélite, em outubro, o trabalho é realizado por um grupo chinês. O acordo prevê a troca de comando das operações a cada seis meses.

Agencia Estado,

26 de março de 2004 | 12h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.