Brasil quer soberania sobre ararinhas azuis

O governo brasileiro dissolveu o comitê de recuperação da ararinha azul (Cyanopsitta spixii), passando suas atribuições temporariamente para o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e propondo uma reformulação, que lhe garanta a soberania sobre todas as aves da espécie, hoje existentes em cativeiro, incluindo as do exterior.O Itamaraty solicitou a colaboração das autoridades Cites da Suíça e das Filipinas, como forma de pressionar os grandes criadores particulares dos dois países a cederem a propriedade de seus animais. Autoridades Cites são representantes oficiais de cada país signatário da Convenção sobre o Comércio Internacional das Espécies da Flora e da Fauna Selvagens em Perigo de Extinção. Eles não podem tirar a propriedade das aves dos criadores, mas podem dificultar as transações comerciais oficiais e o transporte internacional.O objetivo destas medidas é garantir o gerenciamento adequado e integrado de toda a população de cativeiro das ararinhas azuis, na tentativa de aumentar o número de aves e orientar a reprodução para se obter o máximo de diversidade genética. Hoje, existem, no mundo, apenas 60 ararinhas azuis vivas, todas em cativeiro. A espécie, considerada extinta na natureza, é originária da caatinga de Curaçá, no sertão da Bahia, e foi intensamente perseguida para atender a um mercado internacional de colecionadores, interessados na beleza de sua plumagem azul clara. O último espécime selvagem de que se tinha notícia desapareceu em outubro de 2000.O Brasil só tem a propriedade de 8 ararinhas azuis: 3 num criadouro de Recife, 2 no Zôo de São Paulo e 3 cedidas pelo criador Wolfgang Kiessling, da Espanha. O criador Hollan Messer, da Suiça tem 18 aves e Antonio de Dios, das Filipinas tem 24. As outras são de colecionadores esparsos. A participação dos dois grandes criadores internacionais - da Suíça e Filipinas - no comitê de recuperação da espécie é fundamental para garantir um mínimo de viabilidade a um programa de reprodução orientada.Segundo informa Yara Barros, do Ibama, os criadores continuariam de posse das aves, como já acontece com Kiessling, na Espanha, mas o governo brasileiro teria a propriedade e orientaria a formação de casais e troca de matrizes. "Sem o posicionamento deles e sem informações claras sobre as aves não é possível trabalhar", diz Yara.Desde 1990, quando foi criado, o comitê de recuperação das ararinhas azuis tenta estabelecer um programa integrado. Mas os dois grandes criadores, apesar de estarem no comite, se recusam a ceder a propriedade, e a dissolução do comitê pretende forçar a reformulação dessa postura, através da mobilização de ambientalistas e da opinião pública.

Agencia Estado,

16 de julho de 2002 | 19h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.