Buraco na camada de ozônio atinge tamanho recorde

O buraco na camada de ozônio atingiu este mês o alarmante pico de 28 milhões de kilômetros quadrados, o maior rombo já registrado nesta época do ano, pouco abaixo do recorde histórico de 28,5 milhões de km2 em 2000. E ele pode aumentar ainda mais nos próximos dias, de acordo com o pesquisador britânico Jonathan Shanklin, um dos cientistas que descobriram o buraco em 1985. Ainda não se conhecem as causas desse aumento. A camada de ozônio protege a superfície da Terra dos raios ultravioletas do Sol, causadores de câncer de pele. Em 2002, o buraco na camada diminuiu, despertando esperanças de que, após ter atingido seu tamanho máximo, ele começaria a diminuir.

Agencia Estado,

13 de setembro de 2003 | 19h30

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.