Bush pede que europeus parem de boicotar transgênicos

O presidente dos EUA, George W. Bush, pediu que os governos da Europa abandonem suas políticas de boicote às lavouras produzidas com ajuda da biotecnologia, ação que, segundo o líder americano, baseia-se em ?temores infundados e anticientíficos?. Se a Europa mudar sua política, disse Bush, agricultores africanos poderiam expandir seus mercados, aliviando a fome que atinge o continente.Falando perante uma reunião da Associação da Indústria de Biotecnologia, Bush disse que ?por meio do trabalho de cientistas em sua área, muitos fazendeiros e nações desenvolvidas agora podem produzir lavouras com alta resistência à seca e às pragas e à doença, com produtividade muito maior por acre?. Ele citou uma série de benefícios da biotecnologia nos EUA, incluindo preços baixos dos alimentos e boas práticas no uso do solo, mas ressalvou que tais avanços não chegam à África e outros lugares onde são necessários.?Agindo com base em temores infundados e anticientíficos, muitos governo europeus vêm bloqueando a importação de todas as novas lavouras de biotecnologia?, disse Bush.Enquanto isso, na Califórnia, a Conferência Ministerial e Exposição de Ciência e Tecnologia Agrícola, que reúne ministros de diversos países para três dias de debates sobre a questão dos transgênicos, atraía manifestantes que afirmam que a biotecnologia não é a resposta para os problemas nutricionais do mundo em desenvolvimento.Do lado de fora do Capitólio estadual, em Sacramento, centenas de manifestantes preparavam-se para uma passeata. Mais cedo, uma dúzia de pessoas, vestidas como borboletas, tomates e espigas de milho, cantaram ?jingles? contra a manipulação genética dos vegetais por grandes corporações.

Agencia Estado,

23 de junho de 2003 | 18h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.