California quer lançar ?títulos de células-tronco?

O Estado americano da California vota em novembro o lançamento de títulos para financiar pesquisas com células-tronco, contornando as restrições de recursos impostas pela administração federal de George W.Bush. A proposta foi encaminhada pelo movimento California Stem Cell Research and Cures Initiative, que envolve personalidades de peso no cenário científico e cultural.Se aprovada, a medida deve gerar cerca de US$ 3 bilhões para instituições de pesquisa californianas, ou US$ 295 milhões anuais ao longo de uma década. O governo Bush destinou somente US$ 60 milhões para pesquisas nesta área em 2002 e tem se posicionado contra as pesquisas envolvendo embriões humanos.Clonagem terapêuticaA iniciativa dos californianos defende o uso de células-tronco embrionárias, as que têm maior potencial para substituir células e tecidos humanos defeituosos ou danificados ? o que seria útil no tratamento de doenças como diabetes, Alzheimer e doenças neuromusculares, por exemplo. Os recursos seriam, portanto, destinados também a centros que pesquisam a clonagem terapêutica para produção destas células.A medida proposta pela California Stem Cell Research and Cures Initiative deixa clara a proibição de financiamento a qualquer atividade voltada à clonagem reprodutiva, ou seja, à produção de embriões para gerar bebês.Dinheiro e assinaturasO site do movimento (www.curesforcalifornia.com) explica que os títulos terão prazo de cinco anos, período em que não haverá recompra, para ?proteger o orçamento do Estado durante a recuperação econômica?.Com nomes que vão de Jerry Zucker, diretor do filme Ghost, até os prêmios Nobel Paul Berg e David Baltimore, passando por associações de pacientes e de pais de crianças vítimas de doenças incuráveis, o movimento já arrecadou US$ 5,3 milhões e conta com 1 milhão de assinaturas de apoio.

Agencia Estado,

04 de junho de 2004 | 13h52

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.